A crítica desleixada de Michael Shellenberger, da Forbes, conduz ao erro sobre os incêndios na Amazônia (comentário)