Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

Riquezas em Perigo—Florestas Tropicais Ameaçadas

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Estrada na floresta tropical de Madagascar. (Foto de R. Butler)

LENHA / CONSTRUÇÃO MATERIAL

AO estima que 40 por cento do mundo (2,6 bilhões de pessoas) contam com lenha ou carvão como principal fonte de energia para cozinhar e aquecer. O consumo de lenha aumentou 250 por cento desde 1960 (a população mundial apenas aumentou 90 por cento desde 1960.

A coleta de lenha e materiais de construção na floresta continua a ser uma importante causa de desmatamento por colonos. Por exemplo, Honduras depende da queima de lenha para 65 por cento do conselho em matéria de energia, enquanto em alguns países Africanos, a percentagem é ainda maior. Em finais dos anos 1990 os campos de refugiados, alguns cheios com 750000 refugiados, no Leste do Zaire dependia fortemente sobre a recolha de lenha do Parque Nacional de Virunga, a montanha de reserva dos gorilas. Em apenas alguns meses mais de 20000 hectares de parque foram apuradas para lenha e construção material.

CONSTRUÇÃO RODOVIÁRIA

Estradas na Amazônia Brasileira. Cortesia de Digital Earth.
A construção de estradas para acesso de madeireiras, de petróleo, mineração e sites na floresta abrem vastas extensões de floresta para exploração por camponeses sem terra, que são responsáveis pela maior parte da destruição da floresta hoje. Geralmente essas estradas são financiadas pelos governos e agências de desenvolvimento, mas algumas também são financiadas por desenvolvimento de interesses privados. Um dos projetos mais famosos é a Rodovía Trans-Amazônica
no Brasil, que abriu o estado de Roraima para generalizada invasão e desmatamento por mineiros e colonos. Um novo projeto rodoviário na América do Sul, que vai ligar Amazonas no Brasil ao portos de Oceano Pacífico no Peru, é de grande preocupação para ambientalistas e grupos de direitos indígenas. O caminho - conhecido como a ""rodovia transoceânica" -- atravessa o estado de Madre de Dios no sudeste do Peru, uma área de floresta tropical extraordinariamente diversificada.

FRAGMENTAÇÃO DO HABITAT

Fragmentação dos habitats é uma grave ameaça à biodiversidade e manchas de floresta mundial (veja também capitulos 9 e 10). Como grandes extensões de florestas são cada vez mais reduzidos à pequenos blocos, borda alteram os efeitos da flora e da fauna da floresta. Manchas florestais fragmentadas estão sujeitas aos ventos secos que aumenta a frequência de queda de árvore. Árvore se quebra e cai lformando uma acunas no dossel, destruindo a sua função de moderar a humidade, a temperatura, o calor e as condições do solo da floresta. Estas mudanças afetam as espécies que habitam a floresta, geralmente reduzindo a diversidade. Muitas espécies raras que habitam nas profundezas das floresta primária são incapazes de lidar com as novas condições e são substituídas por mais comuns, espécies de ervas. A condição seca da floresta também significa que incêndios agrícolas que são iniaciados nas redondezas de scrubland e savana são mais prováveis que queimem a floresta através desse pequeno pedaço. Durante o incêndio indonésio e brasileiros de 1997 e 1998, essas manchas florestais passaram-se em fumo a um ritmo alarmante. Florestas fragmentadas também sofrem uma perda de biomassa de até 36 por cento, nos primeiros anos após a fragmentação.

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

Mudança climática global iniciado pelo aquecimento global, espera-se que tenha um amplo efeito nas florestas tropicais (ver também capítulo 9). Mudanças nos padrões climáticos, distribuição de chuva, e de temperatura irá resultar na conversão de floresta em florestas secas em algumas zonas e à conversão de outras formas de florestas em florestas tropicais. Se o nivel do mar subir, grandes extensões de floresta e enormes áreas de manguezais florestal serão afetados. Além disso, embora as florestas tropicais e suas espécies tenham vivido significativas mudanças climáticas no passado (Pleistoceno, Holoceno epochs), que têm menos resistência à mudança do clima no futuro devido à fragmentação e degradação por atividades humanas. Em resposta às mudanças climáticas globais, as comunidades terão de emigrar, uma ação que será mais difícil, por causa da alteração de habitat e fragmentação.

A Uma simulação feita em Dezembro 2005 pelo Centro Nacional de Investigação Atmosférico projeta aumento de temperaturas na bacia amazônica, devido à conversão de umidade produzida pela floresta em menos pasto colheitas menos produtivas.

Questões de Revisão:
  • Qual é uma importante fonte de energia para rurais pobres dos trópicos?
  • Porque a fragmentação florestal é ruim para a biodiversidade da floresta?
  • Como as alterações climáticas podem afetar a distribuição de florestas tropicais?

[Inglês | Espanhol | Chinês | Japonês | Francês]


Continuação: Dívidas







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





Será possível ter roupa cuja matéria prima não esteja associada à desflorestação?
(10/21/2014) Duas das maiores companhias de fabrico de roupa, a H&M e a Zara/Inditex, comprometeram-se hoje a eliminar a destruição das florestas antigas dos seus produtos. Este compromisso apoia uma nova corrente de esforços para retirar os processos de desflorestação das cadeias de consumo de marcas globais.


Rhett Butler, fundador de Mongabay, vence prestigiante prémio de conservação atribuído pelo Field Museum
(10/13/2014) O Field Museum homenageou Rhett A. Butler, o fundador de mongabay.com, atribuindo-lhe o seu prestigiante prémio Parker/Gentry. De acordo com o Museu, este prémio é atribuído anualmente a “uma pessoa, equipa ou organização cujos esforços tenham tido um impacto significativo na preservação da riqueza natural mundial, e cujas ações sirvam de exemplo para os outros”.


Crescimento mas principalmente queda: a disputa pelas sardinhas no Estreito de Bali, na Indonésia (parte II)
(10/06/2014) Cinquenta e cinco trabalhadores, quase despidos, cantam canções de marinheiro em Madurês fazendo gestos sincronizados enquanto transportam redes de arrastão gigantes, mão sobre mão, em direção à plataforma flutuante de madeira do M/V Sinar Indah no meio do Estreito de Bali. Essa manhã eles desembarcaram um carregamento grande no porto local de Muncar: sete toneladas de sardinhas lemuru, uma especialidade local, pelas quais os agentes das fábricas de conservas ofereceram 3.500 dólares.


A próxima grande ideia para a preservação florestal? Incentivar todos a supervisionar as florestas
(10/03/2014) Nigel Sizer tem trabalhado na vanguarda dos problemas florestais globais por décadas. Atualmente, é diretor global do programa florestal do World Resource Institute (WRI – Instituto Mundial de Recursos), cujos projetos incluem a Global Forest Watch (Vigília Florestal Global), a Forest Legality Alliance (Aliança de Legalidade Florestal), e a Global Restoration Initiative (Iniciativa de Restauração Global).


Os EUA devem punir Moçambique pelo seu descaso quanto à caça ilegal de elefantes e rinocerontes, exigem ONGs
(10/01/2014) Duas importantes organizações não governamentais (ONGs) -- a Agência Ambiental de Investigação (EIA, na sigla em inglês) e a Fundação Internacional do Rinoceronte (IRF, na sigla em inglês) --estão fazendo uma petição ao governo dos Estados Unidos para que Moçambique seja punido com sanções comerciais, devido ao descaso do país quanto à caça ilegal regional. Os grupos afirmam que Moçambique tem contribuído muito pouco para combater tanto a sua própria epidemia de caça furtiva quanto para reprimir seus cidadãos de transpor as fronteiras para matar rinocerontes e elefantes na África do Sul e na Tanzânia.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009