Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

Impacto da Agricultura na Floresta Tropical

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Grande escala para a agricultura na Amazônia brasileira.
(Foto cortesia de Jacques Descloitres, MODIS Rapid Response Team, NASA/GSFC)

AGRICULTURA COMERCIAL

A utilização agrícola de algumas terras da floresta revela-se um fracasso devido à deficiente em nutrients e solos ácidos dessas florestas. No entanto, muitos projetos comerciais agrícolas são ainda realizados em florestas tropicais terras, embora muitos destes reverter para bovinos pastagem após solos estão esgotados. Algumas regiões, como aquelas da baixa Amazônia (várzea), são mais adequados para a agricultura comercial porque a anual inundações reconstituirá a reserva de nutrientes

Agricultores frequentemente utilizam técnicas como queimadas para limpar terras do que as práticas tradicionais. Em vez de queimar 2-10 acres (1-4 ha) agricultores queimam centenas de milhares de hectares. Esta técnica é geralmente um desperdício porque uma vez que as árvores removidos antes do tempo, a mesma é cortada e colocada para secar. Após o corte, a área é queimada para liberar nutrientes e produzir uma camada de material rico em nutrientes acima dos solos pobres da antiga floresta tropical. A área é apagada rapidamente plantadas e apoia crescimento vigoroso durante alguns anos, após os quais os nutrientes são esgotados e ações abundância de fertilizantes são necessárias para manter a operação viável. Fertilizantes podem ser levados em local córregos que afectam os peixes e a vida aquática.Além disso, Um único fio de frio ou seca pode devastar uma enorme parte da Economia agrícola.


No estado do Acre, oeste do Brasil, quintas e pastagens são rodeados por grandes, não perturbadas áreas de floresta Amazônica. Desde Janeiro de 2005, muitas áreas no estado efrentaram secas graves, e as florestas se tornaram mechas secas. Desde agosto, muitos incêndios agrícolas inflamados em violação da proibição e declaração do Estado foram escapando fora de controle, correndo através de regiões adjacentes e espalhando na floresta. A situação deteriorou através de Setembro, e os registros marcaram que florestas não prejudicadas anteriormente poderão se queimar antes que chegue ao fim. Fundações da dos cientistas da NASA ajudaram os Brasileiros alidar com a catástrofe através de fornecimento diário de resumos de detenção de fogo feitas por satélites, aviões, e observações terrestres.

Estas imagens da Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) da NASA sobre a Terra por satélite mostram um padrão de floresta e terras agrícolas leste da cidade de Rio Branco antes (em cima) e depois (baixo), o pico de 2005 agrícolas em temporada de incêndios. As imagens são feitas com visibilidade, leves ondas magnéticas, e quase a luz infravermelha detectada pelo MODIS. O Verde brilhante é a floresta não atingida, o vermelho brilhante são áreas incendiadas recentemente, e marrom são áreas apuradas, mas que não foram atingidas. Junto a alguns campos queimados, a floresta aparece verde escuro, ou "roxo," provavelmente indicando locais que escaparam do incêndios e queimadando rumo ao solo da floresta..

NASA imagens por Jesse Allen (NASA Earth Observatory) e Jeff Schmaltz (MODIS Rapid Response), o texto de cortesia da NASA Observatório da Terra.
O cultivo de algumas destas culturas nas zonas montanhosas, zonas divididas tem efeitos nocivos para o ambiente, nomeadamente a alteração do ciclo da água e erosão. No Peru, o cultivo da planta da coca (que contém o ingrediente fundamental para cocaína) foi tão gerada nos Andes durante os anos 1980 e 1990 os ciclos de inundação do rio peruano foram alteradas em algumas áreas, tornando a água de alta temporada imprevisível. A mais grave preocupação ambiental (com excepção do desmatamento) decorrentes do cultivo de coca é o derramamento de produtos químicos (incluindo o querosene, ácido sulfúrico, acetona e carboneto) utilizada para processar as folhas da coca. No entanto, coca cultivada é quase impossível devido a simples economia: não superou o cultivo coca. A CIA afirma que alguns 600000 hectares de floresta são apuradas anualmente para a coca e papoula ópio cultivo.

Em algumas partes do mundo, em grande escala comercial agricultura absorve a maior parte dos solos produtivos várzea e vulcânica deixando pequenos agricultores outra opção que não seja cortada terras da floresta tropical. A apropriação desses grandes explorações comerciais está concentrada nas mãos de uma minoria que poderão beneficiar de incentivos fiscais para deixar algumas de suas terras pousio e não totalmente empregado em um dado momento. Estes grandes explorações agrícolas em geralnão um grande número de habitantes, no entanto, quando o fizem os trabalhadores são utilizados para os baixos salários. Nos últimos anos, a produção de Brasil e outros países da América Latina tem crescido muito. No entanto, a maior parte do dinheiro vai parar nas mãos de um pequeno número de grandes proprietários que nas zonas mais marginais têm contado com subsídios para sobreviver a duras condições do solo e do clima. Só através destas esmolas esses proprietários têm sido capazes de ganhar algum lucro.


Cultivo de soja na América do Sul. Mapa mostrando soja área de distribuição na América do Sul a partir do ano 2000. Floresta e savana (cerrado) ecossistemas da Amazônia estão cedendo a soja campos. Imagens cortesia do Global Land Use Database na Universidade de Database de uso global de terra Universidade de Wisconsin.
Soja tornou-se uma das culturas mais importantes do Brasil na Amazônia, bem como nas proximidades pastagens do ecossistema de cerrado . Hoje soja são florescentes, desde 1998, o Brasil tem 30 milhões de acres acrescentado de soja e as empresas americanas estão expandindo agressivamente a sua presença no setor agrícola brasileira. Brasil provavelmente serão em breve substituíra os Estados Unidos como o maior exportador mundial de soja as custas das florestas da bacia amazônica.

Mais sobre soja na Amazônia
  • A Amazônia é mais valiosa para compensações de carbono do que para gado ou soja?
  • A soja pode piorar a seca na floresta tropical amazônica
  • Podem os pecuaristas e plantadores de soja salvar a Amazônia?
    Agricultura Sustentável na Floresta Tropical


    Questões de Revisão:
    • Como a grande escala da agricultura danificam a floresta tropical?
    • Porque a soja é geralmente ruim para a Amazônia?

    [Inglês | Espanhol | Chinês | Japonês | Francês]


    Continuação: Pastagem Bovína







  • MONGABAY.COM
    Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

    Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





    Primeira página
    Notícias ambientais
    Florestas tropicais
    Peixe tropical
    Imagens
    Para as crianças
    Madagascar
    Idiomas
    Sobre
    Ajuda
    Contato RSS/XML


    Recomendado
    Amazonia.org
    O Eco
    A Última Arca de Noé





    Exclusivo: Fotografias aéreas impressionantes revelam que o Equador está a abrir estradas no coração da floresta húmida mais rica do mundo (Parque Nacional Yasuni)
    (04/16/2014) Em Agosto de 2012 os fotógrafos profissionais Ivan Kashinsky e Karla Gachet estavam em missão para a National Geographic no Parque Nacional Yasuní, a floresta com maior biodiversidade do mundo. Durante a sua estadia, fizeram uma sessão de fotografia sobrevoando uma área conhecida como Bloco 31 (ver mapa), uma concessão de petróleo controversa localizada no coração do parque, no preciso momento em que a companhia estatal de petróleo, Petroamazonas, abria secretamente um novo acesso.


    Tribo da Floresta Amazônica vende créditos do REDD+ para gigante brasileira de cosméticos
    (04/11/2014) Os Paiter-Suruí, uma tribo da floresta Amazônica, que em junho tornou-se o primeiro grupo indígena a gerar créditos do REDD+, através do Verified Carbon Standard (VCS), já fechou seu primeiro negócio. Conforme relatado pelo Ecosystem Marketplace, a Natura Cosméticos, uma mega fabricante de cosméticos brasileira, adquiriu 120.000 toneladas de créditos de carbono a partir do Projeto de Carbono Florestal Suruí, no estado de Rondônia, Brasil


    A culpa é dos humanos: novo estudo prova que pessoas mataram as aves gigantes da Nova Zelândia
    (04/07/2014) As moas eram um grupo diverso de aves que não voavam, mas dominavam a Nova Zelândia até a chegada dos humanos. A maior delas alcançava cerca de 3,5 metros de altura com o pescoço esticado. Apesar de toda a família das moas – com nove espécies – ter desaparecido logo após a chegada das pessoas no século 13 na Nova Zelândia, há muito tempo cientistas vêm debatendo por que essas aves enormes foram extintas. Algumas teorias apontavam que as aves já estavam em declínio devido a mudanças ambientais e atividades vulcânicas antes dos humanos pisarem nas praias neozelandesas. Mas um estudo lançado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) revela que não há evidências desse declínio, e aponta diretamente para nós.


    Os vídeos produzidos pela armadilha fotográfica poderiam estimular o mundo a proteger o Yasuní da perfuração de petróleo?
    (04/03/2014) Mesmo dez anos atrás, teria sido impossível imaginar imagens bem claras de um jaguar caminhando lenta e penosamente ao longo da impenetrável Amazônia, um porco-espinho-de-cauda-preênsil-bicolor (Coendou bicolor) se equilibrando em um galho, um bando de macacos-aranha se alimentando em um barranco de argila ou um grupo de quatis saindo correndo, um por um, da densa folhagem. São coisas que até mesmo pesquisadores que gastam uma vida inteira na Amazônia podem nunca ver. Agora, qualquer um pode: cientistas da Estação de Biodiversidade Tiputini começaram a usar recentemente, no Parque Nacional Yasuní do Equador, vídeos da armadilha fotográfica para registrar imagens de animais que poucas pessoas poderão ver durante suas vidas. Os vídeos — após anos da armadilha fotográfica por fotos — fornecem uma visão reveladora de um mundo cada vez mais ameaçado pela indústria do petróleo.


    Espécie ignorada: o primata quase extinto que corre o risco de levar um tiro quando avistado
    (03/28/2014) A atenção dada aos populares e carismáticos primatas – como os gorilas, chimpanzés, orangotangos, micos-leões, e até alguns lêmures–poderia fazer-nos supor que os conservacionistas têm domínio sobre a proteção dos nossos parentes próximos; o fato espantoso que nenhuma espécie primata tenha sido extinta nos últimos cem anos ( apesar da destruição em larga escala dos seus habitats) parece confirmar essa afirmação. Todavia, ao olharmos mais atentamente às informações, veremos que não somente muitos deles estão fadados à extinção, mas um significativo número tem recebido pouca atenção no que se refere à sua conservação. De acordo com a Lista Vermelha da IUCN, ou Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas, assombrosos 48 por cento dos primatas no mundo estão ameaçados de extinção: esse é um percentual pior do que dos anfíbios, os quais têm sido devastados por uma epidemia global. E muito embora um punhado dos mais de 600 primatas do mundo tenham conquistado adoração pela conservação, muitos permanecem na obscuridade. Ninguém mais do que o macaco colobus vermelho do Delta do Níger (Procolobus epieni), que de acordo com pesquisas em curso feitas por biologistas na Nigéria, podem contar com menos de 500 exemplares – e ainda não estão protegidos sob a lei nigeriana.


    Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



    Copyright Rhett Butler 2009