Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

PERIGO: AS FORÇAS ATRÁS DA PERDA DA FLORESTA

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Desmatamento no Peru (Foto de R. Butler)

UM MUNDO EM PERIGO: FORÇAS ATRÁS DA PERDA DAS FLORESTAS

Como as primeiras sete seções deste site tem descrito, florestas tropicais são incrivelmente ricas ecossistemas que desempenham um papel fundamental no funcionamento básico do planeta. Florestas tropicais são provavelmente o lar de 50 por cento das espécies do mundo, tornando-as uma extensa biblioteca de recursos biológicos e genéticos. Além disso, florestas tropicais ajudam a manter o clima, são regulamentadores de gases atmosféricos e estabilizadores de chuva, protegem contra a desertificação, e fornecem inúmeras outras funções ecológicas.

No entanto, estes preciosos sistemas estão entre os mais ameaçados do planeta. Embora a área precisa é debatida, cada dia, pelo menos 80000 hectares (32300 ha) de floresta desaparecem da Terra. Pelo menos um outro 80000 hectares (32300 ha) de floresta são degradados. Juntamente com eles, o planeta perde tantos como várias centenas de espécies à extinção, a grande maioria dos quais nunca foram documentados pela ciência. Com a queda destas florestas, mais carbono é adicionado à atmosfera, condições climáticas são mais alteradas, e mais solo é perdido devido à erosões.

Apesar do aumento de consciência sobre a importância destas florestas, as taxas de desflorestamento não tem abaixado. Análise de dados da Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO) mostra que as taxas de desmatamento tropical aumentaram 8,5 por cento a partir de 2000-2005, quando comparado com os anos de 1990, enquanto a perda de florestas primárias possam ter ampliado em 25 por cento no mesmo período. A taxa de perda da floresta primária da Nigéria e Vietnã duplicaram desde a década de 1990, enquanto a taxa do Peru triplicou.

Índice de mudança
Índice de Desmatamento Total
período de 2000-2005 x periodo de 1990-2000
País Índice de Mudança
(%)
Malásia 85.7
Cambodia 74.3
Burundi 47.6
Togo 41.6
Nigéria 31.1
Sri Lanka 25.4
Benin 24.1
Brasil 21.2
Uganda 21.0
Indonésia 18.6
Total
(62 países tropicais)
8.5
Globalmente, a FAO estima que 10,4 milhões de hectares da floresta tropical foram definitivamente destruídos por ano no período de 2000 a 2005, um aumento desde o período 1990-2000, quando cerca de 10,16 milhões de hectares de floresta foram perdidos. Entre as florestas primárias, o desmatamento anual aumentou para 6,26 milhões de hectares de 5,41 milhões de hectares no mesmo período. Em uma escala mais ampla, os dados da FAO mostra que as florestas primárias estão a ser substituídos por menos biodiversidades de plantações e florestas secundárias. Devido a um aumento significativo na plantação florestal, a cobertura florestal foi geralmente expandida à América do Norte, Europa e China, enquanto diminuiu nos trópicos. Madeireiras industriais, a conversão para a agricultura (comercial e subsistêncial), e os incêndios florestais, frequentemente iniciados de propósito pelo povos - são responsáveis pela maior parte do desmatamento global de hoje.

Já e o suficiente sobre a extensão e alguns dos efeitos do desmatamento. O que é responsável por essa perda? Esta é a pergunta que esta seção discute.

Desmatamento e Degradação

Antes de expandir ainda mais na perda florestal é fundamental para primeiro explicar o que é considerado "floresta", o que se entende por desmatamento e degradação das florestas.

A Organização de Alimentos e Agricultura das Nações Unidas (FAO), a principal fonte de informação sobre o estado das florestas no mundo, define as florestas como terra de árvores dósseis que cobrem mais de 10 por cento e um espaço de mais de meio hectare. FAO diz que a "floresta" inclui florestas naturais e plantações florestais, mas exclui especificamente árvores estabelecidas principalmente para a produção agrícola (ou seja, plantações de árvores frutíferas e palmeiras) e árvores plantadas em sistemas agroflorestais.

Outras organizações usam diferentes normas para definir as florestas. Por exemplo, Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP) usa cobertura de 40 por cento como o limiar para "florestas fechadas" e cobertura de 10-40 por cento para "florestas abertas", enquanto o - Ecossistema Tropical Ambiental de Observações por Satélite (TREES) - financiou um projeto na Década de 1990 pela Comissão Européia que classifica áreas com mais de 70 por cento da capa do dossel como "florestas densas " e aquelas com 40-70 por cento da capa como "fragmentação florestal."

Para diminuir confusão, este site irá geralmente acompanhar a convenção do FAO, apesar de ter sido criticada pela sua generosa definição daquilo que considera floresta.

FAO define desmatamento como "a conversão de floresta para outra terra utilização ou redução de longo prazo dos dósseis abaixo do mínimo 10 por cento limiar. Degradação da floresta das coberturas arbóreas de percentagem superior a 10 por cento (digamos, de 90 por cento à 12 por cento) é considerado degradação florestal. O derrubamento de madeira mais frequentemente se encontra abrangido pela categoria da degradação das florestas e, portanto, não está incluída nas estatísticas de desmatamento do FAO. Por esta razão, as taxas de degradação florestal são consideravelmente superiores às taxas de desflorestação.

Indo um pouco mais fundo, a FAO afirma que "desmatamento inclui áreas de floresta convertida para agricultura, pastagens, água e reservatórios áreas urbanas", mas o termo "exclui especificamente áreas onde as árvores foram removidas como resultado da colheita ou exploração madeireira e onde o Floresta está prevista a regeneração natural ou com o auxílio de medidas silvícolas."

Desmatamento x Degradação

Causas do DesmatamentoCausas de Degradação
[Inglês | Espanhol | Francês]

Questões de Revisão:
  • Qual é a diferença entre o desmatamento e a degradação florestal?
  • Quais são alguns exemplos de atividades que causam desmatamento?
  • Quais são algumas causas da degradação das florestas?


Continuação: Forças Naturais Atrás do Desmatamento







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





Tribo da Floresta Amazônica vende créditos do REDD+ para gigante brasileira de cosméticos
(04/11/2014) Os Paiter-Suruí, uma tribo da floresta Amazônica, que em junho tornou-se o primeiro grupo indígena a gerar créditos do REDD+, através do Verified Carbon Standard (VCS), já fechou seu primeiro negócio. Conforme relatado pelo Ecosystem Marketplace, a Natura Cosméticos, uma mega fabricante de cosméticos brasileira, adquiriu 120.000 toneladas de créditos de carbono a partir do Projeto de Carbono Florestal Suruí, no estado de Rondônia, Brasil


A culpa é dos humanos: novo estudo prova que pessoas mataram as aves gigantes da Nova Zelândia
(04/07/2014) As moas eram um grupo diverso de aves que não voavam, mas dominavam a Nova Zelândia até a chegada dos humanos. A maior delas alcançava cerca de 3,5 metros de altura com o pescoço esticado. Apesar de toda a família das moas – com nove espécies – ter desaparecido logo após a chegada das pessoas no século 13 na Nova Zelândia, há muito tempo cientistas vêm debatendo por que essas aves enormes foram extintas. Algumas teorias apontavam que as aves já estavam em declínio devido a mudanças ambientais e atividades vulcânicas antes dos humanos pisarem nas praias neozelandesas. Mas um estudo lançado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) revela que não há evidências desse declínio, e aponta diretamente para nós.


Os vídeos produzidos pela armadilha fotográfica poderiam estimular o mundo a proteger o Yasuní da perfuração de petróleo?
(04/03/2014) Mesmo dez anos atrás, teria sido impossível imaginar imagens bem claras de um jaguar caminhando lenta e penosamente ao longo da impenetrável Amazônia, um porco-espinho-de-cauda-preênsil-bicolor (Coendou bicolor) se equilibrando em um galho, um bando de macacos-aranha se alimentando em um barranco de argila ou um grupo de quatis saindo correndo, um por um, da densa folhagem. São coisas que até mesmo pesquisadores que gastam uma vida inteira na Amazônia podem nunca ver. Agora, qualquer um pode: cientistas da Estação de Biodiversidade Tiputini começaram a usar recentemente, no Parque Nacional Yasuní do Equador, vídeos da armadilha fotográfica para registrar imagens de animais que poucas pessoas poderão ver durante suas vidas. Os vídeos — após anos da armadilha fotográfica por fotos — fornecem uma visão reveladora de um mundo cada vez mais ameaçado pela indústria do petróleo.


Espécie ignorada: o primata quase extinto que corre o risco de levar um tiro quando avistado
(03/28/2014) A atenção dada aos populares e carismáticos primatas – como os gorilas, chimpanzés, orangotangos, micos-leões, e até alguns lêmures–poderia fazer-nos supor que os conservacionistas têm domínio sobre a proteção dos nossos parentes próximos; o fato espantoso que nenhuma espécie primata tenha sido extinta nos últimos cem anos ( apesar da destruição em larga escala dos seus habitats) parece confirmar essa afirmação. Todavia, ao olharmos mais atentamente às informações, veremos que não somente muitos deles estão fadados à extinção, mas um significativo número tem recebido pouca atenção no que se refere à sua conservação. De acordo com a Lista Vermelha da IUCN, ou Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas, assombrosos 48 por cento dos primatas no mundo estão ameaçados de extinção: esse é um percentual pior do que dos anfíbios, os quais têm sido devastados por uma epidemia global. E muito embora um punhado dos mais de 600 primatas do mundo tenham conquistado adoração pela conservação, muitos permanecem na obscuridade. Ninguém mais do que o macaco colobus vermelho do Delta do Níger (Procolobus epieni), que de acordo com pesquisas em curso feitas por biologistas na Nigéria, podem contar com menos de 500 exemplares – e ainda não estão protegidos sob a lei nigeriana.


Cientistas fazem uma das maiores descobertas animais do século – uma nova anta
(03/28/2014) Os cientistas anunciaram hoje a descoberta de uma nova espécie de anta no Brasil e na Colômbia que provavelmente será considerada uma das maiores descobertas zoológicas (literalmente) do século XXI. O novo mamífero, escondido da ciência, porém conhecido pelas tribos indígenas locais, é na verdade um dos maiores animais do continente, embora seja a menor das antas viventes. Descrita no Journal of Mammalogy, cientistas nomearam a nova anta Tapirus kabomani, por causa do nome dado à anta na língua Paumari: "Arabo kabomani".




More news on deforestation
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009