Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

Habitantes Humanos

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Casa Pigmeu casa feita com paus e folhas no norte da República do Congo. (Foto cortesia de "Tornasole")

POVOS AFRICANOS DA FLORESTA

Hoje, A floresta tropical Africana é o lar de algumas das populações tribais mais celebradas, o chamado "Pygmies" da floresta Ituri no norte do Zaire. As pessoas mais altas, conhecidas como a Mbuti, raramente excedem cinco pés (1,5 m). Além do Mbuti, existem outros três povos das florestas tropicais da África: o Aka (Central Africano e do norte do Congo República), o Baka (Sul do Camarões), e os Twa (Bacia central do Zaire). Juntos esses grupos representam cerca de 130.000 à 170.000 habitantes distribuídos na grande floresta. O resultado é baixa densidade populacional; o Mbuti tem em média menos de uma pessoa para cada uma milha e meia quadrada (quatro quilômetros quadrados).

Os povos Africanos da florest tendem a ser sensivelmente menores do que os povos das savanas, o Pygmies por exemplo. Devido à sua pequena estatura, sem dúvida, lhes permitem avançar sobre a floresta de forma mais eficiente do que os povos altos. Além disso, a massa corporal menor permitem que os pigmeus dissipem melhor o calor corporal.

Esses povos vivem em bandos que variam de 15-70 pessoas dependendo dos fatores externos, caça, comércio, doença e área florestal. Estes grupos tendem a ser nómades, que se deslocam para novas partes da floresta várias vezes durante o ano e transportam todos os seus bens em suas costas. Seu estilo de vida nómade é menos prejudicial para o ambiente da floresta, uma vez que permite que o grupo se mude sem explorar muito dos recursos florestais locais.

Quando estabelecem residência, eles limpam qualquer subarbustiva, pequenas árvores, e mudas, deixando as árvores que formam o dossel intactas. Sob a capa do dossel, os pigmeus são protegidos do poderso sol tropical e podem colher mel e animais selvagens. Ao deixar o dossel intacto, quando o grupo sai, o espaço pode rapidamente voltar à semi-floresta primária. As suas cabanas superficialmente semelhantes aos iglu, formadas de mudas e paredes de ripa e folhas de árvores.

A maioria dos povos das florestas Africanas passam a maior parte do ano perto de uma aldeia onde fazem o comércio de carne e mel por mandioca, laticínios, e outros bens. A familia da floresta quase sempre fazem comércio com a familia da aldeia, uma vez que escolhem e determinam os produtos, normalmente continuam fazendo comércio exclusivamente com a mesma família. Às vezes, a relação entre a familia da floresta e a familia da aldeia são passadas à gerações futuras. Os povos da floresta, poderiam se mudar pra aldeia se quisessem, mas eles escolhem, retornar à vida melhor da floresta onde eles têm menos doença, a água é mais limpa, menos trabalho, mais escolhas, menos incertezas, nenhuma necessidade de dinheiro, e menos disputas. Estudos revelaram que os povos da floresta Africanas têm uma saúde melhor e uma dieta mais saudável do que outras populações sub-saariana da África.

O dia-a-dia da vida dos povos da floresta é provavelmente mais simples do que a dos povos das aldeias. As mulheres fazem a maior parte das colheitas, utilizando cestas que carregam sobre suas costas. Homens concentram-se na caça e da recolha de mel- o produto mais valorizado e altamente procurados da África pelos Mbuti e outros povos. Os Mbuti sobem mais de 100 pés (30 m) no dossel para atingir o mel- contendo colméias. Ao chegarem ao ninho, os alpinistas queimam um tipo de madeira que produz uma fumaça que deixam as abelhas tontas e permitem que os Mbuti quebrem a colmeia e recolham o mel

Os povos africanos das florestas são excelentes caçadores e cada grupo florestal é especializado em seu próprio método de caça. Por exemplo, os povos Efe caçam suas presas (mais de 45 espécies de animais), quase exclusivamente com arcos e flechas. Outros grupos usam ambos arco e flecha e redes para capturar suas presas. Embora nestes grupos, a maioria dos homens fazem a caça de animais arborícolas usando arcos e flechas; as mulheres desempenham um papel importante na captura de animais terrestres. Os homens organizam as redes em um semi-círculo e formam uma parede, com cerca de um quilômetro de comprimento, com redes de caça. As mulheres espantam os animais em direçãp às redes onde os homens utilizam arpão para matar o animal.

Tradicionalmente os povos florestais têm uma grande dose de respeito pelos animais que caçam e não abusam dos animais. Mesmo assim, o comércio de carne aumentou bastante ao longo dos últimos anos para satisfazer a procura da crescente da carne devido à expansão dos povos da aldeia. Além disso, os povos florestais Africanos estão sendo contratados como perseguidores pelos colhedores de marfim para detectar os perigosos elefantes, cuja presas são mais valiosas do que os elefantes da savana.

POVOS DAS FLORESTAS AFRICANAS DE HOJE

O pequeno número (em proporção à população sub-saariana) dos povos florestais são altamente ameaçados pela destruição de suas pátrias e políticas oficiais do governo para finalizar as suas tradições na floresta. Nenhum título legal de terras foram concedidos aos povos florestais Africanos pelo governo Africano Central. Durante a década de 1980 e a primeira metade da década de 1990, segundo a Organização das Nações Unidas de Agricultura e Alimentação, a África perdeu a maior percentagem de floresta tropical (10,5 por cento), de qualquer área florestal, resultando em uma queda ainda maior de povos florestais. Grande parte do desmatamento foi resultado da expansão das aldeias, devido à pressões populacionais em zonas florestais, e comércio de madeiras pelas empresas multinacionais. Madeireiras são particularmente problemáticas porque madeireiras abrem espaços e estradas anteriormente inacessíveis auxiliando à rápida colonização. Campos de madeiras não apenas trazem indesejados colonos, mas também trazem doenças para os povos florestais que não têm imunidade contra doenças como a malária. Além disso, os madeireiros geralmente não trazem mandioca e laticínios para o comércio com os povos florestais, ao invés, introduzem o dinheiro, cigarro e maconha. Por causa das madeireiras com suas barulhentas maquinarias e serrotes, os animais estão se tornando escassos para caça dos pigmeus.

A recente guerra civil e o êxodo maciço de refugiados do Leste do Zaire, teve efeitos desconhecidos sobre os povos nativos da floresta. Milhares de refugiados recuaram para a floresta. A interação entre os refugiados e os indígenas é, em grande parte desconhecidos no momento desse documento, embora relatados, os pigmeus estavam tendo dificuldade de caçar quantidade suficiente de carne.
Questões de Revisão:
  • Os Pigmeus são reais?
  • Porque o tradicional estilo de vida dos povos florestais Africanos são ameaçados?

[Inglês | Espanhol | Francês]


Continuação: Povos Asiáticos da Floresta







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





O implacável crescimento da população está levando ao aquecimento global e a extinção em massa
(07/14/2014) A humanidade levou cerca de 200.000 anos para chegar a um bilhão de pessoas. Mas, em duzentos anos, nós setuplicamos a população. Na verdade, nos últimos 40 anos, nós adicionamos um bilhão a mais a cada doze anos, aproximadamente. E as Nações Unidas estimam que nós adicionaremos outros quatro bilhões–num total de 11 bilhões–até o final do século. Apesar disso, poucos cientistas, legisladores, ou até mesmo ambientalistas estão dispostos a admitir publicamente que o inacreditável crescimento da população esteja agravando a mudança climática, a perda da biodiversidade, a escassez de recursos, ou a crise ambiental global em geral.


O número de borboletas-monarcas migrantes atinge baixos níveis
(07/11/2014) De acordo com a WWF-México, a população de borboleta-monarca que passou o inverno no México neste ano atingiu o menor nível já registrado. Elas abrangeram apenas 0,67 hectares de floresta no México, uma queda de 44% em comparação à 2012, que já tinha apresentado uma população já perigosamente baixa. Para se ter uma ideia, a abrangência média de monarcas entre 1994 a 2014 foi de 6,39 hectares ou cerca de vezes mais do que a registrada neste ano. Durante anos, os ambientalistas temeram que o desmatamento no México pudesse resultar no fim da migração da borboleta, mas agora os cientistas afirmam que as mudanças agrícolas e políticas nos Estados Unidos e Canadá - inclusive as relativas à produção agrícola derivada de organismos geneticamente modificados (OGM) e à destruição de habitats - estão refreando uma das maiores migrações do mundo.


Uma estratégia decisiva para o lémure: cientistas propõem plano ambicioso para preservar a conservar a família de mamíferos mais ameaçada do mundo
(07/09/2014) Devido às maravilhosas idiossincrasias da evolução, existe um país na Terra que alberga 20% dos primatas de todo o mundo. Ainda mais espantoso, cada um destes primatas - na verdade, uma família inteira distinta - não se encontra em mais nenhum lugar do mundo. O país é, naturalmente, o Madagáscar e os primatas em causa são, naturalmente, os lémures. Mas a remota ilha de Madagáscar, em tempos um porto seguro para experiências evolucionárias, transformou-se num pesadelo ecológico. Superpopulação, pobreza profunda, instabilidade política, agricultura itinerante, abate de árvores para o lucrativo negócio madeireiro e um comércio florescente de carne de animais selvagens colocou 94 por cento dos lémures do mundo sob ameaça de extinção, fazendo deles os mamíferos mais ameaçados do planeta. Mas, com vista a estancar esta rápida marcha em direcção à extinção, os conservacionistas publicaram agora na revista Science um plano de emergência a três anos para preservar trinta importantes florestas de lémures.


Pesca de arrasto: o destrutivo método de pescaria está transformando os leitos dos oceanos em “desertos”
(07/08/2014) A pesca de arrasto é uma prática realizada pela indústria da pesca no mundo todo, na qual uma grande e pesada rede é arrastada ao longo do fundo do oceano para recolher tudo o que estiver em seu caminho. Pesquisas anteriores associaram a pesca de arrasto a impactos ambientais relevantes, como a captura de grandes quantidades de espécies não visadas, chamadas coletivamente de “capturas acessórias”, assim como a destruição de leitos de águas rasas. Uma nova pesquisa publicada em ações pela Proceedings of the National Academy of Sciences revelou que esse método também está provocando consequências de longo prazo e alcance no fundo do oceano e além.


Rãs são afetadas por estradas para transporte de petróleo na Amazônia
(07/02/2014) De acordo com novo artigo publicado na revista científica Plos One, as estradas construídas em áreas remotas da Amazônia para transporte de petróleo, frequentemente divulgadas como de baixo impacto, estão, na realidade, causando grande impacto em rãs que habitam o dossel superior da floresta. No Parque Nacional Yasuní, Equador, as bromélias crescem no tronco de gigantescas árvores que ultrapassam a copa da floresta e podem conter até quatro litros de água parada. Analisando com minúcia, os pesquisadores descobriram grande diversidade de vida dentro destas micro piscinas, inclusive várias espécies de rãs. No entanto, embora vivam em habitats mais alto do que 50 metros de altura, o novo estudo aponta que a proximidade de estradas para transporte de petróleo diminui a população dessas rãs.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009