Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

O SOLO

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Frutos Dragão. (Foto de R. Butler)

FRUTOS E SEMENTES

Muitas das sementes e frutos produzidos por árvores dossel caiem ao chão e fornecem alimento para os colhedores de sementes (roedores, aves, peixes, etc) e criam um banco de sementes natural na ninhada . Existem duas estratégias, uma vez que as sementes atingem o solo. Uma estratégia é produzir sementes com grandes reservas alimentares que permitam a sobrevivência da plântula em condições de baixa luz do subsolo. O segundo método são para espécies de características pioneiras produzir um grande número de pequenas sementes que só germinam em determinadas condições (geralmente one há lacunas de luz). Quando há uma lacuna de luz, estas sementes e brotos de mudas crescem rapidamente para voltar a ligar o buraco do dossel.


Palm buds



Pomelo (Jerunga) fruta



Green cacao pods still on the tree



White cauliflorous flowers growing out of tree trunk



Ripening cacao pods still on the tree



Pé de cacau vermelho



Frutas vermelhas nos arbustos da floresta


Já que as sementes são os agentes para o futuro crescimento, muitos têm defesas contra predadores para garantir que algumas serão deixadas intocados para poder germinar. Plantas reduzem herbivoria e consumação de sementes com defesas estruturais como espinhos, cabelos que picam, e a produção de compostos tóxicos que interferem com a digestão ou são desagradaveis. Muitas vezes, a semente é cercada por comestíveis materiais carnudos para torná-las aceitáveis para aves e mamíferos que podem dispersar-las, mas como a semente é tóxica e indigestiva ela será pulada ou descartado. Por exemplo, o caju tem um doce e suculento caule, mas as sementes são tóxicas, então macacos comem o carnudo caule e descartam as sementes.

Muitas árvores da floresta, em especial as do interior da floresta, produzem grandes frutos cauliflorous que crescem diretamente para fora da superfície da árvore. Este mecanismo permite que a árvore cresça grande, com conspícuos frutos que atraem grandes animais. Um dos maiores frutos cauliflorous é a fruta jaca do sudeste da Ásia que podem ser de três pés de comprimento (1 m) e 110 libras (50 Kg). A jaca produz um forte odor que atrai mamíferos noturnos como a raposa voadora. Um famoso cauliflorous fruto do sudeste da Ásia é o durian, uma fruta coberto por espinhos que é como o ditado diz: "tem sabor do céu e cheiro do inferno". O odor do durian é tão ofensivo que a sua presença tem sido proibida em alguns lugares públicos, como hotéis e aeroportos. No entanto, o durian é uma importante exportação para Malásia, Indonésia e Tailândia, que exportou aproximadamente 1 milhão de toneladas em 1992. Ambos cacau e café crescem como frutos cauliflorous.

Frutos e sementes fornecem um importante recurso alimentar para os animais terrestres da floresta. Para sobreviver, uma semente deve eludir estes predadores e dispersores como aves especializadas, mamíferos, e peixes. Estes dispersores comem a carne do fruto sem destruir as sementes. Outras sementes escapam por serem venenosas. Algumas destas toxinas são úteis para insetos, que as seqüestram para os seus próprios fins, e para os seres humanos. Por exemplo, muitas sementes toxinas quimicamente isoladas e têm sido utilizados para formular medicamentos para os seres humanos, enquanto vários insetos naturalmente incorporam esses compostos para se tornarem tóxicos ou utilizam estas toxinas para produzir aromas para atrair parceiros. Por exemplo, os machos borboleta da família Danaiidae convertem alcalóides na planta crotalaria em perfume para atrair as fêmeas.

Muitas sementes grandes têm defesas estruturadas contra os predadores de sementes. Em alguns casos, as sementes concebidas para passarem nas tripas de grandes mamíferos tem uma casca robusta, enquanto aves dispersoras de grandes frutos tem sementes que muitas vezes são defendidas quimicamente. Por exemplo, as frutas da noz moscada se quebram para revelar uma grande semente coberta com uma cor de laranja aril. A semente é altamente aromáticas, o odor age como uma advertência e dissuadores de tóxicos.


Questões de Revisão:
  • Como os animais ajudam o ciclo reprodutivo das plantas?
  • Porque muitas sementes são venenosas?

[Inglês | Espanhol | Francês]


Continuação: Lacunas de Luz, Mudas e Arbustos







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





O implacável crescimento da população está levando ao aquecimento global e a extinção em massa
(07/14/2014) A humanidade levou cerca de 200.000 anos para chegar a um bilhão de pessoas. Mas, em duzentos anos, nós setuplicamos a população. Na verdade, nos últimos 40 anos, nós adicionamos um bilhão a mais a cada doze anos, aproximadamente. E as Nações Unidas estimam que nós adicionaremos outros quatro bilhões–num total de 11 bilhões–até o final do século. Apesar disso, poucos cientistas, legisladores, ou até mesmo ambientalistas estão dispostos a admitir publicamente que o inacreditável crescimento da população esteja agravando a mudança climática, a perda da biodiversidade, a escassez de recursos, ou a crise ambiental global em geral.


O número de borboletas-monarcas migrantes atinge baixos níveis
(07/11/2014) De acordo com a WWF-México, a população de borboleta-monarca que passou o inverno no México neste ano atingiu o menor nível já registrado. Elas abrangeram apenas 0,67 hectares de floresta no México, uma queda de 44% em comparação à 2012, que já tinha apresentado uma população já perigosamente baixa. Para se ter uma ideia, a abrangência média de monarcas entre 1994 a 2014 foi de 6,39 hectares ou cerca de vezes mais do que a registrada neste ano. Durante anos, os ambientalistas temeram que o desmatamento no México pudesse resultar no fim da migração da borboleta, mas agora os cientistas afirmam que as mudanças agrícolas e políticas nos Estados Unidos e Canadá - inclusive as relativas à produção agrícola derivada de organismos geneticamente modificados (OGM) e à destruição de habitats - estão refreando uma das maiores migrações do mundo.


Uma estratégia decisiva para o lémure: cientistas propõem plano ambicioso para preservar a conservar a família de mamíferos mais ameaçada do mundo
(07/09/2014) Devido às maravilhosas idiossincrasias da evolução, existe um país na Terra que alberga 20% dos primatas de todo o mundo. Ainda mais espantoso, cada um destes primatas - na verdade, uma família inteira distinta - não se encontra em mais nenhum lugar do mundo. O país é, naturalmente, o Madagáscar e os primatas em causa são, naturalmente, os lémures. Mas a remota ilha de Madagáscar, em tempos um porto seguro para experiências evolucionárias, transformou-se num pesadelo ecológico. Superpopulação, pobreza profunda, instabilidade política, agricultura itinerante, abate de árvores para o lucrativo negócio madeireiro e um comércio florescente de carne de animais selvagens colocou 94 por cento dos lémures do mundo sob ameaça de extinção, fazendo deles os mamíferos mais ameaçados do planeta. Mas, com vista a estancar esta rápida marcha em direcção à extinção, os conservacionistas publicaram agora na revista Science um plano de emergência a três anos para preservar trinta importantes florestas de lémures.


Pesca de arrasto: o destrutivo método de pescaria está transformando os leitos dos oceanos em “desertos”
(07/08/2014) A pesca de arrasto é uma prática realizada pela indústria da pesca no mundo todo, na qual uma grande e pesada rede é arrastada ao longo do fundo do oceano para recolher tudo o que estiver em seu caminho. Pesquisas anteriores associaram a pesca de arrasto a impactos ambientais relevantes, como a captura de grandes quantidades de espécies não visadas, chamadas coletivamente de “capturas acessórias”, assim como a destruição de leitos de águas rasas. Uma nova pesquisa publicada em ações pela Proceedings of the National Academy of Sciences revelou que esse método também está provocando consequências de longo prazo e alcance no fundo do oceano e além.


Rãs são afetadas por estradas para transporte de petróleo na Amazônia
(07/02/2014) De acordo com novo artigo publicado na revista científica Plos One, as estradas construídas em áreas remotas da Amazônia para transporte de petróleo, frequentemente divulgadas como de baixo impacto, estão, na realidade, causando grande impacto em rãs que habitam o dossel superior da floresta. No Parque Nacional Yasuní, Equador, as bromélias crescem no tronco de gigantescas árvores que ultrapassam a copa da floresta e podem conter até quatro litros de água parada. Analisando com minúcia, os pesquisadores descobriram grande diversidade de vida dentro destas micro piscinas, inclusive várias espécies de rãs. No entanto, embora vivam em habitats mais alto do que 50 metros de altura, o novo estudo aponta que a proximidade de estradas para transporte de petróleo diminui a população dessas rãs.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009