Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

O SOLO

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Frutos Dragão. (Foto de R. Butler)

FRUTOS E SEMENTES

Muitas das sementes e frutos produzidos por árvores dossel caiem ao chão e fornecem alimento para os colhedores de sementes (roedores, aves, peixes, etc) e criam um banco de sementes natural na ninhada . Existem duas estratégias, uma vez que as sementes atingem o solo. Uma estratégia é produzir sementes com grandes reservas alimentares que permitam a sobrevivência da plântula em condições de baixa luz do subsolo. O segundo método são para espécies de características pioneiras produzir um grande número de pequenas sementes que só germinam em determinadas condições (geralmente one há lacunas de luz). Quando há uma lacuna de luz, estas sementes e brotos de mudas crescem rapidamente para voltar a ligar o buraco do dossel.


Palm buds



Pomelo (Jerunga) fruta



Green cacao pods still on the tree



White cauliflorous flowers growing out of tree trunk



Ripening cacao pods still on the tree



Pé de cacau vermelho



Frutas vermelhas nos arbustos da floresta


Já que as sementes são os agentes para o futuro crescimento, muitos têm defesas contra predadores para garantir que algumas serão deixadas intocados para poder germinar. Plantas reduzem herbivoria e consumação de sementes com defesas estruturais como espinhos, cabelos que picam, e a produção de compostos tóxicos que interferem com a digestão ou são desagradaveis. Muitas vezes, a semente é cercada por comestíveis materiais carnudos para torná-las aceitáveis para aves e mamíferos que podem dispersar-las, mas como a semente é tóxica e indigestiva ela será pulada ou descartado. Por exemplo, o caju tem um doce e suculento caule, mas as sementes são tóxicas, então macacos comem o carnudo caule e descartam as sementes.

Muitas árvores da floresta, em especial as do interior da floresta, produzem grandes frutos cauliflorous que crescem diretamente para fora da superfície da árvore. Este mecanismo permite que a árvore cresça grande, com conspícuos frutos que atraem grandes animais. Um dos maiores frutos cauliflorous é a fruta jaca do sudeste da Ásia que podem ser de três pés de comprimento (1 m) e 110 libras (50 Kg). A jaca produz um forte odor que atrai mamíferos noturnos como a raposa voadora. Um famoso cauliflorous fruto do sudeste da Ásia é o durian, uma fruta coberto por espinhos que é como o ditado diz: "tem sabor do céu e cheiro do inferno". O odor do durian é tão ofensivo que a sua presença tem sido proibida em alguns lugares públicos, como hotéis e aeroportos. No entanto, o durian é uma importante exportação para Malásia, Indonésia e Tailândia, que exportou aproximadamente 1 milhão de toneladas em 1992. Ambos cacau e café crescem como frutos cauliflorous.

Frutos e sementes fornecem um importante recurso alimentar para os animais terrestres da floresta. Para sobreviver, uma semente deve eludir estes predadores e dispersores como aves especializadas, mamíferos, e peixes. Estes dispersores comem a carne do fruto sem destruir as sementes. Outras sementes escapam por serem venenosas. Algumas destas toxinas são úteis para insetos, que as seqüestram para os seus próprios fins, e para os seres humanos. Por exemplo, muitas sementes toxinas quimicamente isoladas e têm sido utilizados para formular medicamentos para os seres humanos, enquanto vários insetos naturalmente incorporam esses compostos para se tornarem tóxicos ou utilizam estas toxinas para produzir aromas para atrair parceiros. Por exemplo, os machos borboleta da família Danaiidae convertem alcalóides na planta crotalaria em perfume para atrair as fêmeas.

Muitas sementes grandes têm defesas estruturadas contra os predadores de sementes. Em alguns casos, as sementes concebidas para passarem nas tripas de grandes mamíferos tem uma casca robusta, enquanto aves dispersoras de grandes frutos tem sementes que muitas vezes são defendidas quimicamente. Por exemplo, as frutas da noz moscada se quebram para revelar uma grande semente coberta com uma cor de laranja aril. A semente é altamente aromáticas, o odor age como uma advertência e dissuadores de tóxicos.


Questões de Revisão:
  • Como os animais ajudam o ciclo reprodutivo das plantas?
  • Porque muitas sementes são venenosas?

[Inglês | Espanhol | Francês]


Continuação: Lacunas de Luz, Mudas e Arbustos







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





Será possível ter roupa cuja matéria prima não esteja associada à desflorestação?
(10/21/2014) Duas das maiores companhias de fabrico de roupa, a H&M e a Zara/Inditex, comprometeram-se hoje a eliminar a destruição das florestas antigas dos seus produtos. Este compromisso apoia uma nova corrente de esforços para retirar os processos de desflorestação das cadeias de consumo de marcas globais.


Rhett Butler, fundador de Mongabay, vence prestigiante prémio de conservação atribuído pelo Field Museum
(10/13/2014) O Field Museum homenageou Rhett A. Butler, o fundador de mongabay.com, atribuindo-lhe o seu prestigiante prémio Parker/Gentry. De acordo com o Museu, este prémio é atribuído anualmente a “uma pessoa, equipa ou organização cujos esforços tenham tido um impacto significativo na preservação da riqueza natural mundial, e cujas ações sirvam de exemplo para os outros”.


Crescimento mas principalmente queda: a disputa pelas sardinhas no Estreito de Bali, na Indonésia (parte II)
(10/06/2014) Cinquenta e cinco trabalhadores, quase despidos, cantam canções de marinheiro em Madurês fazendo gestos sincronizados enquanto transportam redes de arrastão gigantes, mão sobre mão, em direção à plataforma flutuante de madeira do M/V Sinar Indah no meio do Estreito de Bali. Essa manhã eles desembarcaram um carregamento grande no porto local de Muncar: sete toneladas de sardinhas lemuru, uma especialidade local, pelas quais os agentes das fábricas de conservas ofereceram 3.500 dólares.


A próxima grande ideia para a preservação florestal? Incentivar todos a supervisionar as florestas
(10/03/2014) Nigel Sizer tem trabalhado na vanguarda dos problemas florestais globais por décadas. Atualmente, é diretor global do programa florestal do World Resource Institute (WRI – Instituto Mundial de Recursos), cujos projetos incluem a Global Forest Watch (Vigília Florestal Global), a Forest Legality Alliance (Aliança de Legalidade Florestal), e a Global Restoration Initiative (Iniciativa de Restauração Global).


Os EUA devem punir Moçambique pelo seu descaso quanto à caça ilegal de elefantes e rinocerontes, exigem ONGs
(10/01/2014) Duas importantes organizações não governamentais (ONGs) -- a Agência Ambiental de Investigação (EIA, na sigla em inglês) e a Fundação Internacional do Rinoceronte (IRF, na sigla em inglês) --estão fazendo uma petição ao governo dos Estados Unidos para que Moçambique seja punido com sanções comerciais, devido ao descaso do país quanto à caça ilegal regional. Os grupos afirmam que Moçambique tem contribuído muito pouco para combater tanto a sua própria epidemia de caça furtiva quanto para reprimir seus cidadãos de transpor as fronteiras para matar rinocerontes e elefantes na África do Sul e na Tanzânia.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009