Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

O SOLO

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Frutos Dragão. (Foto de R. Butler)

FRUTOS E SEMENTES

Muitas das sementes e frutos produzidos por árvores dossel caiem ao chão e fornecem alimento para os colhedores de sementes (roedores, aves, peixes, etc) e criam um banco de sementes natural na ninhada . Existem duas estratégias, uma vez que as sementes atingem o solo. Uma estratégia é produzir sementes com grandes reservas alimentares que permitam a sobrevivência da plântula em condições de baixa luz do subsolo. O segundo método são para espécies de características pioneiras produzir um grande número de pequenas sementes que só germinam em determinadas condições (geralmente one há lacunas de luz). Quando há uma lacuna de luz, estas sementes e brotos de mudas crescem rapidamente para voltar a ligar o buraco do dossel.


Palm buds



Pomelo (Jerunga) fruta



Green cacao pods still on the tree



White cauliflorous flowers growing out of tree trunk



Ripening cacao pods still on the tree



Pé de cacau vermelho



Frutas vermelhas nos arbustos da floresta


Já que as sementes são os agentes para o futuro crescimento, muitos têm defesas contra predadores para garantir que algumas serão deixadas intocados para poder germinar. Plantas reduzem herbivoria e consumação de sementes com defesas estruturais como espinhos, cabelos que picam, e a produção de compostos tóxicos que interferem com a digestão ou são desagradaveis. Muitas vezes, a semente é cercada por comestíveis materiais carnudos para torná-las aceitáveis para aves e mamíferos que podem dispersar-las, mas como a semente é tóxica e indigestiva ela será pulada ou descartado. Por exemplo, o caju tem um doce e suculento caule, mas as sementes são tóxicas, então macacos comem o carnudo caule e descartam as sementes.

Muitas árvores da floresta, em especial as do interior da floresta, produzem grandes frutos cauliflorous que crescem diretamente para fora da superfície da árvore. Este mecanismo permite que a árvore cresça grande, com conspícuos frutos que atraem grandes animais. Um dos maiores frutos cauliflorous é a fruta jaca do sudeste da Ásia que podem ser de três pés de comprimento (1 m) e 110 libras (50 Kg). A jaca produz um forte odor que atrai mamíferos noturnos como a raposa voadora. Um famoso cauliflorous fruto do sudeste da Ásia é o durian, uma fruta coberto por espinhos que é como o ditado diz: "tem sabor do céu e cheiro do inferno". O odor do durian é tão ofensivo que a sua presença tem sido proibida em alguns lugares públicos, como hotéis e aeroportos. No entanto, o durian é uma importante exportação para Malásia, Indonésia e Tailândia, que exportou aproximadamente 1 milhão de toneladas em 1992. Ambos cacau e café crescem como frutos cauliflorous.

Frutos e sementes fornecem um importante recurso alimentar para os animais terrestres da floresta. Para sobreviver, uma semente deve eludir estes predadores e dispersores como aves especializadas, mamíferos, e peixes. Estes dispersores comem a carne do fruto sem destruir as sementes. Outras sementes escapam por serem venenosas. Algumas destas toxinas são úteis para insetos, que as seqüestram para os seus próprios fins, e para os seres humanos. Por exemplo, muitas sementes toxinas quimicamente isoladas e têm sido utilizados para formular medicamentos para os seres humanos, enquanto vários insetos naturalmente incorporam esses compostos para se tornarem tóxicos ou utilizam estas toxinas para produzir aromas para atrair parceiros. Por exemplo, os machos borboleta da família Danaiidae convertem alcalóides na planta crotalaria em perfume para atrair as fêmeas.

Muitas sementes grandes têm defesas estruturadas contra os predadores de sementes. Em alguns casos, as sementes concebidas para passarem nas tripas de grandes mamíferos tem uma casca robusta, enquanto aves dispersoras de grandes frutos tem sementes que muitas vezes são defendidas quimicamente. Por exemplo, as frutas da noz moscada se quebram para revelar uma grande semente coberta com uma cor de laranja aril. A semente é altamente aromáticas, o odor age como uma advertência e dissuadores de tóxicos.


Questões de Revisão:
  • Como os animais ajudam o ciclo reprodutivo das plantas?
  • Porque muitas sementes são venenosas?

[Inglês | Espanhol | Francês]


Continuação: Lacunas de Luz, Mudas e Arbustos







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





Jaguares do Chaco argentino à beira da extinção local
(04/21/2014) O majestoso jaguar (Panthera onca), o maior dos felinos do Novo Mundo, estende-se desde o sul dos EUA até ao norte da Argentina. No passado, os jaguares chegavam até mais 1500 km para sul, mas o seu alcance tem diminuído com o acelerar da perda de habitat e interferência humana. De modo geral, os jaguares estão classificados como espécie Quase Ameaçada (NT) pela IUCN, mas o nível de risco que enfrentam varia de região para região. As populações que vivem na Argentina, no actual limite sul, foram identificadas como sendo algumas das mais ameaçadas de todas.


Exclusivo: Fotografias aéreas impressionantes revelam que o Equador está a abrir estradas no coração da floresta húmida mais rica do mundo (Parque Nacional Yasuni)
(04/16/2014) Em Agosto de 2012 os fotógrafos profissionais Ivan Kashinsky e Karla Gachet estavam em missão para a National Geographic no Parque Nacional Yasuní, a floresta com maior biodiversidade do mundo. Durante a sua estadia, fizeram uma sessão de fotografia sobrevoando uma área conhecida como Bloco 31 (ver mapa), uma concessão de petróleo controversa localizada no coração do parque, no preciso momento em que a companhia estatal de petróleo, Petroamazonas, abria secretamente um novo acesso.


Tribo da Floresta Amazônica vende créditos do REDD+ para gigante brasileira de cosméticos
(04/11/2014) Os Paiter-Suruí, uma tribo da floresta Amazônica, que em junho tornou-se o primeiro grupo indígena a gerar créditos do REDD+, através do Verified Carbon Standard (VCS), já fechou seu primeiro negócio. Conforme relatado pelo Ecosystem Marketplace, a Natura Cosméticos, uma mega fabricante de cosméticos brasileira, adquiriu 120.000 toneladas de créditos de carbono a partir do Projeto de Carbono Florestal Suruí, no estado de Rondônia, Brasil


A culpa é dos humanos: novo estudo prova que pessoas mataram as aves gigantes da Nova Zelândia
(04/07/2014) As moas eram um grupo diverso de aves que não voavam, mas dominavam a Nova Zelândia até a chegada dos humanos. A maior delas alcançava cerca de 3,5 metros de altura com o pescoço esticado. Apesar de toda a família das moas – com nove espécies – ter desaparecido logo após a chegada das pessoas no século 13 na Nova Zelândia, há muito tempo cientistas vêm debatendo por que essas aves enormes foram extintas. Algumas teorias apontavam que as aves já estavam em declínio devido a mudanças ambientais e atividades vulcânicas antes dos humanos pisarem nas praias neozelandesas. Mas um estudo lançado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) revela que não há evidências desse declínio, e aponta diretamente para nós.


Os vídeos produzidos pela armadilha fotográfica poderiam estimular o mundo a proteger o Yasuní da perfuração de petróleo?
(04/03/2014) Mesmo dez anos atrás, teria sido impossível imaginar imagens bem claras de um jaguar caminhando lenta e penosamente ao longo da impenetrável Amazônia, um porco-espinho-de-cauda-preênsil-bicolor (Coendou bicolor) se equilibrando em um galho, um bando de macacos-aranha se alimentando em um barranco de argila ou um grupo de quatis saindo correndo, um por um, da densa folhagem. São coisas que até mesmo pesquisadores que gastam uma vida inteira na Amazônia podem nunca ver. Agora, qualquer um pode: cientistas da Estação de Biodiversidade Tiputini começaram a usar recentemente, no Parque Nacional Yasuní do Equador, vídeos da armadilha fotográfica para registrar imagens de animais que poucas pessoas poderão ver durante suas vidas. Os vídeos — após anos da armadilha fotográfica por fotos — fornecem uma visão reveladora de um mundo cada vez mais ameaçado pela indústria do petróleo.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009