Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

O Dóssel

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Epífitas na selva venezuelana. (Foto de R. Butler)

EPÍFITAS

Existem mais de 15.000 epífitas no domínio neotropical, mais de 30.000 no mundo, assim como numerosas espécies sem identificação. O termo epífitas descreve uma planta parasita que cresce em um lugar, mas ao contrário dos parasitas, ela não utiliza nutrientes da árvore em si, mas sim nutrientes do ar, da chuva, e nutrientes que ficam depositados nos galhos das árvores. Através do seu epifitico modo de vida, essas plantas tem grande vantages: elas tem direto a acesso à luz solar, grande número de dossel animais polinizadores, e possibilidade de espalhar as suas sementes através do vento. Epífitas são mais conhecidas em clima temperado, pois muitas casas e fábricas possuem plantas epífitas da floresta tropical.

Epífitas são encontradas em todas florestas tropicais, mas elas sao abundantes nas chamadas nuvem florestas que existem no nevoeiro de elevação entre 3300-6600 pés (1000-2000 metros). Epífitas pertencem à 83 famílias, das quais a maioria são brotos e plantas florescendo. As mais conhecidas plantas são samambáias epífitas, líquenes, musgos, cactos, mais de 2.000 espécies de broméliasmais, e orquídeas.

Orquídeas são os groupos mais diversos de plantas florescendo, mais de 18000 espécies, o que representa cerca de 8 por cento de todas as plantas encontradas em todo o mundo. Cerca de 10000 a 12000 espécies ainda não foram reconhecidas, muitas dessas espécies são endêmicas para microambientes como a Andina vale ou canhão de tepui na Guiana Shield que são muito raras. Todos os anos, centenas de espécies de orquídeas são extintas como vale sistemas, principalmente aquelas localizadas nos Andes são destruídas. No entanto, existe uma enorme variedade de orquídeas que crescem sobre o solo e 70 por cento que crescem como epífitas.

Orquídeas são muito bem adaptadas à vida no dossel. Elas têm raízes, com uma grande superfície para uma rápida absorção de água e nutrientes. Suas secundárias hastes podem armazenar água, assim orquídeas podem sobreviver períodos de secagem.

Um dos principais motives no qual orquídeas são tão bem sucedidas na floresta é porque elas produzem pequenas sementes (medidas em microns), que é o número em centenas de milhares. Uma camada que cobre e mantém juntas as sementes de orquídeas permitem que as mesmas sejam espalhadas pelas correntes de vento.


Bromeliad



Bromeliad



Bromeliad



Dendrobates pumilio in bromeliad



red and yellow bromeliad flower



pink bromeliad flower



pink and green bromeliad



lavender orchids


Orchid (Andasibe)
Orchid


Angraecum sesquipedale Orchid (Andasibe)
Angraecum sesquipedale Orchid



Orange orchid with magenta spots


Bromeliad
Bromeliad



Red bromeliad



Red leaved bromeliad



Veined bromeliad


MORE ORCHID PHOTOS
Orquídeas também utiliza insectos para espalhar seu pólen. Várias espécies de Madagascar libertam um forte perfume para atrair sphinx mariposas que tomam o néctar das flores brancas e em seguida, transportam pólen fertilizado para outras orquídeas. A espécie de lagartas são superficialmente parecidas com as do beija-flor que tem uma língua que ultrapassa 14 polegadas (35 cm.), assim somente ele pode penetrar uma longa estrutura tubular da flor Angraecum sesquipedale uma espécie de orquídea. Várias espécies de orquídeas têm minúsculos quase microscópicos brotos que liberam um perfume que atrai pequenas moscas para adubação. Outra orquídea chamada balde orquídea da América Central, está equipada com um pequena estrutura parecida com um balde localizada trás da flor. A flor produz um óleo que pinga dentro do "balde" atraíndo as abelhas com o seu perfume único. Cada segmento da orquídea tem o seu próprio perfume que atrai a sua própria espécie de abelha. Quando o zangão sente esse perfume, ele segue o perfume até a orquídea para coletar uma substância oleosa que ele usara para atrair as abelha (ele é atraído apenas por um espécifico perfume, pois ele quer apenas atrair as fêmeas da mesma espécie). No entanto, muitas vezes ao tentar colher o oléo, o zangão cai dentro do balde da orquídea e a única saída é através da longa estrutura tubular. Ao se mover através do tube, o polén gruda no corpo do zangão, sendo assim quando ele visita a próxima flor ele a poliniza quando passa através do longo tubo. Outra interessante orquídea reprodução estratégia é a da dança dama orquídea da América do Sul. Estes produzem muitas minúsculas flores que são posicionados de modo que eles possam dançar mesmo com a mais leve brisa. Estas flores são suficientemente ativas para que as pequenas agressivas abelhas pensem que as flores são intrusas, assim atacando-as e consequentimente povilhando com pólen.

Os cactos da floresta são bem diferentes dos cactos das zonas temperadas e desertas do mundo. Os cactos encontrado nos desertos crescem no solo ou areia para obter umidade, eles estão equipados com uma redonda folha de seda para reduzir perda de água. Estes cactos são freqüentemente protegidos por afiados espinhos. No entanto, a maioria dos cactos de regiões tropicais crescer no dossel como epífitas, sem afiado spinhos, tem alongada folhas para absorção de luz, e não retém água.

Epífitas acrescentam uma nova dimensão às florestas, elas criam novos buracos a serem explorados por um grande número de espécies. Um dos melhores exemplos de um pequeno ecossistema baseado num epifita é o reservatório de bromélias da América do Sul, na qual as folhas quando invertidas podem armazenar mais de dois galões (8 L) de água. Estes reservatórios de água potável proporcionam água para muitos dossel animais e um habitat no qual muitas espécies utilizam para abrigo e reprodução. Muitas larvas de insectos ficam alojadas nesses reservatórios de água e eles são alimentados por outros animais. O reservatório de água serve como um viveiro para rãs e girinos venenosos. A rã fêmea deposita seus ovos em uma folha ou em buracos no solo da floresta. Quando os girinos saem dos ovos, e a fêmea deixa eles subirem na suas costas, ela faz um caminho até uma bromélia onde depósita os girinos em uma das piscinas da planta que nao tenha predadores. Os girinos alimentam-se das larvas dos insetos. Algumas espécies de rãs utilizam outra estratégia; eles voltam à bromélia regularmente para depositar um ovo infértil na água. Os girinos normalmente se alimentam da gema de ovo. Bromélias, especialmente aquelas com interliganda câmaras, muitas vezes são colonizados por formigas, que proporcionam nutrientes produzidos por uma coleção de detritos em decomposição e resíduos de formigas.

Epífitas são extremamente adaptadas à severas condições do dossel: falta de água e à escassez de minerais e nutrientes. Muitas espécies, como as orquídeas, desenvolveram estruturas para conservar água. Alguns têm grossos caules que armazenam água; outros têm folha com pêlos que efetivamente fecham quando estão secas, e as bromélias armazenam água quando rígidas. Para contrariar a falta de nutrientes, as plantas desenvolvem relações simbióticas com animais ou criam mecanismos, adquirem o formato uma cesta, para capturar de detritos que decompõe e proporcionam sustento. Uma surpreendentemente quantidade de nutrientes é armazenado quando a chuve. Por exemplo, em um local perto de Manaus, Brasil, a chuva trouxe três quilos de fósforo, dois quilos de ferro, e dez quilos de nitrogênio por hectare ao ano. Como já foi mencionado, tanto as bromélias e outras epífitas dependem das relações simbióticas: tanque bromélias usam os excrementos produzidos pelos habitantes da sua reserva de água, enquanto outras bromélias, incluindo ninho epífitas e mymecophytes, dependem de resíduos criados por residentes das colônias de formigas.

Epífitas produzem mais sementes do que os seus semelhantes porque muitas das suas sementes não conseguem chegar à lugares adequados para crescer. Muitas epífitas utilizam vento corrente, sementes microscópicas equipadas com asas, aparatos sem motor ou para-quedas. Mesmo epífitas que oferecem frutos carnosos podem ter milhares de sementes em uma única bagas. Visco, um parasita arborícolas é um exemplo típico de uma epífita aérea, plantas com sementes que são distribuídas de forma diferente para garantir a continuidade da espécie. Seus frutos têm um revestimento com efeito de laxante, assim as sementes irão passar rapidamente através do sistema digestivo dos pássaros que a elas consomem. Além disso, as sementes têm uma camada pegajosa que assim quando elas são expelidas pelo pássaro, a mesma irá grudas nas penas da ave. Quando o pássaro esfregar as sementes no dossel sucursais, completo com adubo natural, as sementes irão ser depositadas no local adequado para o crescimento.


Questões de Revisão:
  • O que são epífitas?
  • Verdadeiro ou falso: Orquídeas são um tipo de epífitas.

[Inglês | Espanhol | Francês]


Continuação: vinhas e Lianas







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





O implacável crescimento da população está levando ao aquecimento global e a extinção em massa
(07/14/2014) A humanidade levou cerca de 200.000 anos para chegar a um bilhão de pessoas. Mas, em duzentos anos, nós setuplicamos a população. Na verdade, nos últimos 40 anos, nós adicionamos um bilhão a mais a cada doze anos, aproximadamente. E as Nações Unidas estimam que nós adicionaremos outros quatro bilhões–num total de 11 bilhões–até o final do século. Apesar disso, poucos cientistas, legisladores, ou até mesmo ambientalistas estão dispostos a admitir publicamente que o inacreditável crescimento da população esteja agravando a mudança climática, a perda da biodiversidade, a escassez de recursos, ou a crise ambiental global em geral.


O número de borboletas-monarcas migrantes atinge baixos níveis
(07/11/2014) De acordo com a WWF-México, a população de borboleta-monarca que passou o inverno no México neste ano atingiu o menor nível já registrado. Elas abrangeram apenas 0,67 hectares de floresta no México, uma queda de 44% em comparação à 2012, que já tinha apresentado uma população já perigosamente baixa. Para se ter uma ideia, a abrangência média de monarcas entre 1994 a 2014 foi de 6,39 hectares ou cerca de vezes mais do que a registrada neste ano. Durante anos, os ambientalistas temeram que o desmatamento no México pudesse resultar no fim da migração da borboleta, mas agora os cientistas afirmam que as mudanças agrícolas e políticas nos Estados Unidos e Canadá - inclusive as relativas à produção agrícola derivada de organismos geneticamente modificados (OGM) e à destruição de habitats - estão refreando uma das maiores migrações do mundo.


Uma estratégia decisiva para o lémure: cientistas propõem plano ambicioso para preservar a conservar a família de mamíferos mais ameaçada do mundo
(07/09/2014) Devido às maravilhosas idiossincrasias da evolução, existe um país na Terra que alberga 20% dos primatas de todo o mundo. Ainda mais espantoso, cada um destes primatas - na verdade, uma família inteira distinta - não se encontra em mais nenhum lugar do mundo. O país é, naturalmente, o Madagáscar e os primatas em causa são, naturalmente, os lémures. Mas a remota ilha de Madagáscar, em tempos um porto seguro para experiências evolucionárias, transformou-se num pesadelo ecológico. Superpopulação, pobreza profunda, instabilidade política, agricultura itinerante, abate de árvores para o lucrativo negócio madeireiro e um comércio florescente de carne de animais selvagens colocou 94 por cento dos lémures do mundo sob ameaça de extinção, fazendo deles os mamíferos mais ameaçados do planeta. Mas, com vista a estancar esta rápida marcha em direcção à extinção, os conservacionistas publicaram agora na revista Science um plano de emergência a três anos para preservar trinta importantes florestas de lémures.


Pesca de arrasto: o destrutivo método de pescaria está transformando os leitos dos oceanos em “desertos”
(07/08/2014) A pesca de arrasto é uma prática realizada pela indústria da pesca no mundo todo, na qual uma grande e pesada rede é arrastada ao longo do fundo do oceano para recolher tudo o que estiver em seu caminho. Pesquisas anteriores associaram a pesca de arrasto a impactos ambientais relevantes, como a captura de grandes quantidades de espécies não visadas, chamadas coletivamente de “capturas acessórias”, assim como a destruição de leitos de águas rasas. Uma nova pesquisa publicada em ações pela Proceedings of the National Academy of Sciences revelou que esse método também está provocando consequências de longo prazo e alcance no fundo do oceano e além.


Rãs são afetadas por estradas para transporte de petróleo na Amazônia
(07/02/2014) De acordo com novo artigo publicado na revista científica Plos One, as estradas construídas em áreas remotas da Amazônia para transporte de petróleo, frequentemente divulgadas como de baixo impacto, estão, na realidade, causando grande impacto em rãs que habitam o dossel superior da floresta. No Parque Nacional Yasuní, Equador, as bromélias crescem no tronco de gigantescas árvores que ultrapassam a copa da floresta e podem conter até quatro litros de água parada. Analisando com minúcia, os pesquisadores descobriram grande diversidade de vida dentro destas micro piscinas, inclusive várias espécies de rãs. No entanto, embora vivam em habitats mais alto do que 50 metros de altura, o novo estudo aponta que a proximidade de estradas para transporte de petróleo diminui a população dessas rãs.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009