Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

A Diversidade da Floresta

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Uroplatus fimbriatus lagarto em Madagascar. (Foto de R. Butler)

A Arte da Desilusão: Mimetismo e Camuflagem

MIMETISMO

Existem três formas de mimetismo utilizadas por ambos os predadores e presas: Batesian mimetismo, Muellerian mimetismo, e auto-mimetismo. Mimetismo se refere às semelhanças entre as espécies animais; camuflagem refere-se a uma espécie de animal semelhante à um objeto.

Batesian Mimetismo
Batesian mimetismo é nomeado por causa de Henry Walter Bates, um cientista britânico que estudou mimetismo nas borboletas da Amazônia durante meados do século XIX. Batesian mimetismo refere-se à duas ou mais espécies que são semelhantes na aparência, mas somente um é armado com espinhos, ou químicas tóxicas, enquanto a sua aparente não tem nenhuma dessas características. A segunda espécie não tem defesas como as outras, a não ser as desagradáveis semelhanças que proporcionam protecção de contra certos predadores, no qual os predadores associam com uma certa aparência e uma má experiência. Exemplos de Batesian mimetismo são as várias espécies de borboletas que imitam as tóxicas borboletas Heliconid. Outro mímica fascinante da borboleta é o chamado "Papilio Memmon" não-tóxico da Indonésia. Cada borboleta fêmea (independentemente da sua coloração) pode produzir uma ou mais diferentes formas que imitam qualquer uma das outras cinco espécies de borboletas de chula-degustação. Batesian mimetismo também é encontrado nas venenosas cobras corais e nos inofensivos leites e cobras rei do Novo Mundo. Ambas as cobras são marcadas com listras amarelas, vermelhas e pretas, causando que os possíveis predadores evitem ambos. As cobras podem muitas vezes ser distinguidas pelo velho ditado: "vermelho contra amarelo: mata um colega. Vermelho contra preto: amigo do Jack." A mortal cobra coral tem bandas de vermelho, amarelo, preto, enquanto que a inócuo espécie têm o padrão de vermelho, preto, amarelo (embora a regra não é infalível e existem exceções).

Muellerian Mimetismo



Borboleta Monarca à esquerda, borboleta viceroy à direita. Ambas tem gosto ruim para os predadores. (Foto de R. Butler)



Muellerian mimetismo é nomeado por causa de Fritz Mueller, um zoologista alemão que trabalhou na Amazônia três décadas após o abatimento. Esta forma de mimetismo refere-se à duas espécies de gosto desagradaveis que imitam um do outro com coloração notáveis advertências (também conhecido como aposemático coloração). Assim, todos os mímicos partilham os benefícios da coloração já que predador irá reconhecer a coloração de um grupo de sabores desagradaveis após algumas más experiências. Dado que várias espécies têm a mesma aparência para o predador, a perda de vidas será distribuída ao longo de várias espécies, reduzindo o impacto sobre cada espécie. Sapos de flecha venenosas da América do Sul e Mantella rãs de Madagascar são exemplos com sua coloração conspícua de cores brilhantes contra pretos e marcações de composições tóxicas.

Exemplos de sapos dardo na foto e Mantella Sapos


Green and black poison dart frog (Dendrobates auratus)



Blue poison dart frog (Dendrobates azureus)



Yellow-Banded Poison Frog (Dendrobates leucomelas)


Three-striped Poison dart frog (Epipedobates trivittatus)
Three-striped Poison dart frog (Epipedobates trivittatus)



Strawberry poison-dart frog in epiphyte



Mantella laevigata



Mantella aurantiaca frog



Mantella madagascariensis (Painted Mantella)




Mais fotos de sapos venenosos

Auto-Mimetismo

Owl butterfly (Caligo idomeneus). Note the conspicuous eyespot. (Photo by R. Butler)

Mimetismo é um termo enganador para os animais que têm um corpo que imita outra parte para aumentar a sobrevivência durante um ataque ou ajuda os predadores parecem inofensiveis. Por exemplo, inúmeras mariposas, borboletas, e espécies de peixes de água doce têm "olhos-manchas"? Grandes marcas escuras que quando bate luz momentaneamente espanta o predador e permiti a presa alguns segundos para escapar.
"Manchas de olho" também ajudam presas a escapar dos dando um alvo falso aos predadores. As borboletas têm melhor chance de sobreviver a um ataque na parte exterior da asa do que um ataque à cabeça.

Os predadores utilizam menos frequentemente o mimetismo como auto-ajuda para parecer menos ameaçador ou enganar as presas na hora do ataque. Por exemplo, várias espécies de tartarugas e peixes bagres (Chaca sp.), do Sudeste da Ásia têm língua extendidas que são utilizados como uma espécie de atração para atrair presas para uma posição em que elas se tornem uma captura fácil. Um dos exemplos mais interessantes de auto-mimetismo é o chamado "duas cabeças" uma tipo de serpente da África Central, que tem um rabo que lembra uma cabeça e uma cabeça que lembra um rabo. A cobra ainda mexe sua cauda como as outras cobras mexem cabeças. Esta adaptação funciona como um truque para que as presas acreditem que o ataque, vem de onde elas menos esperam.

CAMUFLAGEM

Uma abordagem completamente diferente para enganar as presas/predadoes é a camuflagem, em que os animais procuram parecer objectos não comíveis para evitar a detecção de predadores e presas. Existem muitos exemplos de espécies da floresta que são ocultamente coloridos para combinar com os seus arredores. Por exemplo, o Uroplatus lagarto de Madagascar são incríveis mestres em disfarces e são praticamente imperceptível para qualquer pessoa. Um grupo ainda mais surpreendente são os katydis, uma espécie de gafanhotos, um grupo de insetos encontrados em todo o mundo. Katydids são insetos noturnos, que utilizam sua coloração oculta para permanecer despercebido durante o dia quando estão inativos. Eles são capazes de manter a uma posição perfeita, no qual os ajudam a se misturar com os arredores ainda melhor. Katydids têm evoluído ao ponto onde a coloração de seu corpo e a forma se parecem com folhas incluindo folhas semi-mordidas, folhas quase secas, folhas com excrementos das aves, varas, galhos, árvores e cascas. Outros artistas bem conhecidos por camuflagem incluem besouros, louva-a-deus, lagartas, mariposas, cobras, lagartos e rãs

Algumas espécies parecem ter conspícuas coloração quando elas não estão na boa vizinhança. Por exemplo, entre a brilhante borboletas da floresta, o magnífico azul marinho morfo, tem iridescente asas superiores azuis e uma asa de sete polegadas. No entanto, devido às asas inferiores serem escuras, quando as moscasMorfo voam através da iluminação da floresta ou mesmo fora em pleno dia, elas parecem desaparecer. Outras espécies florestais, especialmente mamíferos, tem manchas ou listras para ajudar o animal no esquema. Na sombra criada pelo dossel, grandes mamíferos como leopardo, onças, panteras, e okapi são surpreendentemente difícéis ver com toda a coloração perturbadora.

Foto exemplos de animais das florestas tropicais que usam camuflagem


Brookesia superciliaris playing dead



Brookesia superciliaris chameleon in leaf litter



Brookesia superciliaris chameleon, Masoala NP



Uroplatus phantasticus



Uroplatus fimbriatus on trunk



Uroplatus fimbriatus - head shot tree trunk


Mantidactylus lugubris frog (Ranomafana N.P.)
Mantidactylus lugubris frog


Mantidactylus lugubris frog (Ranomafana N.P.)
Mantidactylus lugubris frog


Mantidactylus lugubris frog (Ranomafana N.P.)
Mantidactylus lugubris frog


Walking stick in the Peruvian rainforest
Walking stick in the Peruvian rainforest


Giant stick insect
Giant stick insect



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus - full body



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus gecko



Flying Dragon, Southern Thailand


Camouflaged spider on tree trunk
Camouflaged spider on tree trunk


Walking stick insect under a leaf
Walking stick insect under a leaf


uroplatus1 (Nosy Mangabe)
Uroplatus fimbriatus gecko



Lutinus Beetle



Leaf mimic insect



Walking stick insect



Green walking stick insect



Leaf insect


Mantidactylus asper frog (Nosy Mangabe)
Mantidactylus asper frog


Camouflaged praying mantis on tree trunk
Camouflaged praying mantis on tree trunk


Praying mantis standing guard of its tree
Praying mantis standing guard of its tree


Walking stick insects mating
Walking stick insects mating


Reddish-brown stick insect
Reddish-brown stick insect


uroplatus (Nosy Mangabe)
Uroplatus fimbriatus gecko



Uroplatus fimbriatus - tree trunk, full body



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Leaf-tailed gecko on Nosy Mangabe



Leaf-tailed gecko



Uroplatus fimbriatus on Nosy Mangabe



Leaf Katydid



Leaf Moth



Praying Mantis



Ruins Moth


Giant walking stick insect with a person's hand for scale
Giant walking stick insect with a person's hand for scale




Revisão de Questões:
  • Quais são os três tipos de mimetismo?
  • Por que a camuflagem é importante?

[Inglês | Espanhol | Francês]


Continuação: O Dóssel







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





Exclusivo: Fotografias aéreas impressionantes revelam que o Equador está a abrir estradas no coração da floresta húmida mais rica do mundo (Parque Nacional Yasuni)
(04/16/2014) Em Agosto de 2012 os fotógrafos profissionais Ivan Kashinsky e Karla Gachet estavam em missão para a National Geographic no Parque Nacional Yasuní, a floresta com maior biodiversidade do mundo. Durante a sua estadia, fizeram uma sessão de fotografia sobrevoando uma área conhecida como Bloco 31 (ver mapa), uma concessão de petróleo controversa localizada no coração do parque, no preciso momento em que a companhia estatal de petróleo, Petroamazonas, abria secretamente um novo acesso.


Tribo da Floresta Amazônica vende créditos do REDD+ para gigante brasileira de cosméticos
(04/11/2014) Os Paiter-Suruí, uma tribo da floresta Amazônica, que em junho tornou-se o primeiro grupo indígena a gerar créditos do REDD+, através do Verified Carbon Standard (VCS), já fechou seu primeiro negócio. Conforme relatado pelo Ecosystem Marketplace, a Natura Cosméticos, uma mega fabricante de cosméticos brasileira, adquiriu 120.000 toneladas de créditos de carbono a partir do Projeto de Carbono Florestal Suruí, no estado de Rondônia, Brasil


A culpa é dos humanos: novo estudo prova que pessoas mataram as aves gigantes da Nova Zelândia
(04/07/2014) As moas eram um grupo diverso de aves que não voavam, mas dominavam a Nova Zelândia até a chegada dos humanos. A maior delas alcançava cerca de 3,5 metros de altura com o pescoço esticado. Apesar de toda a família das moas – com nove espécies – ter desaparecido logo após a chegada das pessoas no século 13 na Nova Zelândia, há muito tempo cientistas vêm debatendo por que essas aves enormes foram extintas. Algumas teorias apontavam que as aves já estavam em declínio devido a mudanças ambientais e atividades vulcânicas antes dos humanos pisarem nas praias neozelandesas. Mas um estudo lançado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) revela que não há evidências desse declínio, e aponta diretamente para nós.


Os vídeos produzidos pela armadilha fotográfica poderiam estimular o mundo a proteger o Yasuní da perfuração de petróleo?
(04/03/2014) Mesmo dez anos atrás, teria sido impossível imaginar imagens bem claras de um jaguar caminhando lenta e penosamente ao longo da impenetrável Amazônia, um porco-espinho-de-cauda-preênsil-bicolor (Coendou bicolor) se equilibrando em um galho, um bando de macacos-aranha se alimentando em um barranco de argila ou um grupo de quatis saindo correndo, um por um, da densa folhagem. São coisas que até mesmo pesquisadores que gastam uma vida inteira na Amazônia podem nunca ver. Agora, qualquer um pode: cientistas da Estação de Biodiversidade Tiputini começaram a usar recentemente, no Parque Nacional Yasuní do Equador, vídeos da armadilha fotográfica para registrar imagens de animais que poucas pessoas poderão ver durante suas vidas. Os vídeos — após anos da armadilha fotográfica por fotos — fornecem uma visão reveladora de um mundo cada vez mais ameaçado pela indústria do petróleo.


Espécie ignorada: o primata quase extinto que corre o risco de levar um tiro quando avistado
(03/28/2014) A atenção dada aos populares e carismáticos primatas – como os gorilas, chimpanzés, orangotangos, micos-leões, e até alguns lêmures–poderia fazer-nos supor que os conservacionistas têm domínio sobre a proteção dos nossos parentes próximos; o fato espantoso que nenhuma espécie primata tenha sido extinta nos últimos cem anos ( apesar da destruição em larga escala dos seus habitats) parece confirmar essa afirmação. Todavia, ao olharmos mais atentamente às informações, veremos que não somente muitos deles estão fadados à extinção, mas um significativo número tem recebido pouca atenção no que se refere à sua conservação. De acordo com a Lista Vermelha da IUCN, ou Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas, assombrosos 48 por cento dos primatas no mundo estão ameaçados de extinção: esse é um percentual pior do que dos anfíbios, os quais têm sido devastados por uma epidemia global. E muito embora um punhado dos mais de 600 primatas do mundo tenham conquistado adoração pela conservação, muitos permanecem na obscuridade. Ninguém mais do que o macaco colobus vermelho do Delta do Níger (Procolobus epieni), que de acordo com pesquisas em curso feitas por biologistas na Nigéria, podem contar com menos de 500 exemplares – e ainda não estão protegidos sob a lei nigeriana.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009