Primeira página | Sobre | Ajuda | Contato | RSS | Twitter
Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês

A Diversidade da Floresta

por Rhett Butler, Janeiro 2008

Uroplatus fimbriatus lagarto em Madagascar. (Foto de R. Butler)

A Arte da Desilusão: Mimetismo e Camuflagem

MIMETISMO

Existem três formas de mimetismo utilizadas por ambos os predadores e presas: Batesian mimetismo, Muellerian mimetismo, e auto-mimetismo. Mimetismo se refere às semelhanças entre as espécies animais; camuflagem refere-se a uma espécie de animal semelhante à um objeto.

Batesian Mimetismo
Batesian mimetismo é nomeado por causa de Henry Walter Bates, um cientista britânico que estudou mimetismo nas borboletas da Amazônia durante meados do século XIX. Batesian mimetismo refere-se à duas ou mais espécies que são semelhantes na aparência, mas somente um é armado com espinhos, ou químicas tóxicas, enquanto a sua aparente não tem nenhuma dessas características. A segunda espécie não tem defesas como as outras, a não ser as desagradáveis semelhanças que proporcionam protecção de contra certos predadores, no qual os predadores associam com uma certa aparência e uma má experiência. Exemplos de Batesian mimetismo são as várias espécies de borboletas que imitam as tóxicas borboletas Heliconid. Outro mímica fascinante da borboleta é o chamado "Papilio Memmon" não-tóxico da Indonésia. Cada borboleta fêmea (independentemente da sua coloração) pode produzir uma ou mais diferentes formas que imitam qualquer uma das outras cinco espécies de borboletas de chula-degustação. Batesian mimetismo também é encontrado nas venenosas cobras corais e nos inofensivos leites e cobras rei do Novo Mundo. Ambas as cobras são marcadas com listras amarelas, vermelhas e pretas, causando que os possíveis predadores evitem ambos. As cobras podem muitas vezes ser distinguidas pelo velho ditado: "vermelho contra amarelo: mata um colega. Vermelho contra preto: amigo do Jack." A mortal cobra coral tem bandas de vermelho, amarelo, preto, enquanto que a inócuo espécie têm o padrão de vermelho, preto, amarelo (embora a regra não é infalível e existem exceções).

Muellerian Mimetismo



Borboleta Monarca à esquerda, borboleta viceroy à direita. Ambas tem gosto ruim para os predadores. (Foto de R. Butler)



Muellerian mimetismo é nomeado por causa de Fritz Mueller, um zoologista alemão que trabalhou na Amazônia três décadas após o abatimento. Esta forma de mimetismo refere-se à duas espécies de gosto desagradaveis que imitam um do outro com coloração notáveis advertências (também conhecido como aposemático coloração). Assim, todos os mímicos partilham os benefícios da coloração já que predador irá reconhecer a coloração de um grupo de sabores desagradaveis após algumas más experiências. Dado que várias espécies têm a mesma aparência para o predador, a perda de vidas será distribuída ao longo de várias espécies, reduzindo o impacto sobre cada espécie. Sapos de flecha venenosas da América do Sul e Mantella rãs de Madagascar são exemplos com sua coloração conspícua de cores brilhantes contra pretos e marcações de composições tóxicas.

Exemplos de sapos dardo na foto e Mantella Sapos


Green and black poison dart frog (Dendrobates auratus)



Blue poison dart frog (Dendrobates azureus)



Yellow-Banded Poison Frog (Dendrobates leucomelas)


Three-striped Poison dart frog (Epipedobates trivittatus)
Three-striped Poison dart frog (Epipedobates trivittatus)



Strawberry poison-dart frog in epiphyte



Mantella laevigata



Mantella aurantiaca frog



Mantella madagascariensis (Painted Mantella)




Mais fotos de sapos venenosos

Auto-Mimetismo

Owl butterfly (Caligo idomeneus). Note the conspicuous eyespot. (Photo by R. Butler)

Mimetismo é um termo enganador para os animais que têm um corpo que imita outra parte para aumentar a sobrevivência durante um ataque ou ajuda os predadores parecem inofensiveis. Por exemplo, inúmeras mariposas, borboletas, e espécies de peixes de água doce têm "olhos-manchas"? Grandes marcas escuras que quando bate luz momentaneamente espanta o predador e permiti a presa alguns segundos para escapar.
"Manchas de olho" também ajudam presas a escapar dos dando um alvo falso aos predadores. As borboletas têm melhor chance de sobreviver a um ataque na parte exterior da asa do que um ataque à cabeça.

Os predadores utilizam menos frequentemente o mimetismo como auto-ajuda para parecer menos ameaçador ou enganar as presas na hora do ataque. Por exemplo, várias espécies de tartarugas e peixes bagres (Chaca sp.), do Sudeste da Ásia têm língua extendidas que são utilizados como uma espécie de atração para atrair presas para uma posição em que elas se tornem uma captura fácil. Um dos exemplos mais interessantes de auto-mimetismo é o chamado "duas cabeças" uma tipo de serpente da África Central, que tem um rabo que lembra uma cabeça e uma cabeça que lembra um rabo. A cobra ainda mexe sua cauda como as outras cobras mexem cabeças. Esta adaptação funciona como um truque para que as presas acreditem que o ataque, vem de onde elas menos esperam.

CAMUFLAGEM

Uma abordagem completamente diferente para enganar as presas/predadoes é a camuflagem, em que os animais procuram parecer objectos não comíveis para evitar a detecção de predadores e presas. Existem muitos exemplos de espécies da floresta que são ocultamente coloridos para combinar com os seus arredores. Por exemplo, o Uroplatus lagarto de Madagascar são incríveis mestres em disfarces e são praticamente imperceptível para qualquer pessoa. Um grupo ainda mais surpreendente são os katydis, uma espécie de gafanhotos, um grupo de insetos encontrados em todo o mundo. Katydids são insetos noturnos, que utilizam sua coloração oculta para permanecer despercebido durante o dia quando estão inativos. Eles são capazes de manter a uma posição perfeita, no qual os ajudam a se misturar com os arredores ainda melhor. Katydids têm evoluído ao ponto onde a coloração de seu corpo e a forma se parecem com folhas incluindo folhas semi-mordidas, folhas quase secas, folhas com excrementos das aves, varas, galhos, árvores e cascas. Outros artistas bem conhecidos por camuflagem incluem besouros, louva-a-deus, lagartas, mariposas, cobras, lagartos e rãs

Algumas espécies parecem ter conspícuas coloração quando elas não estão na boa vizinhança. Por exemplo, entre a brilhante borboletas da floresta, o magnífico azul marinho morfo, tem iridescente asas superiores azuis e uma asa de sete polegadas. No entanto, devido às asas inferiores serem escuras, quando as moscasMorfo voam através da iluminação da floresta ou mesmo fora em pleno dia, elas parecem desaparecer. Outras espécies florestais, especialmente mamíferos, tem manchas ou listras para ajudar o animal no esquema. Na sombra criada pelo dossel, grandes mamíferos como leopardo, onças, panteras, e okapi são surpreendentemente difícéis ver com toda a coloração perturbadora.

Foto exemplos de animais das florestas tropicais que usam camuflagem


Brookesia superciliaris playing dead



Brookesia superciliaris chameleon in leaf litter



Brookesia superciliaris chameleon, Masoala NP



Uroplatus phantasticus



Uroplatus fimbriatus on trunk



Uroplatus fimbriatus - head shot tree trunk


Mantidactylus lugubris frog (Ranomafana N.P.)
Mantidactylus lugubris frog


Mantidactylus lugubris frog (Ranomafana N.P.)
Mantidactylus lugubris frog


Mantidactylus lugubris frog (Ranomafana N.P.)
Mantidactylus lugubris frog


Walking stick in the Peruvian rainforest
Walking stick in the Peruvian rainforest


Giant stick insect
Giant stick insect



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus - full body



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Uroplatus fimbriatus gecko



Flying Dragon, Southern Thailand


Camouflaged spider on tree trunk
Camouflaged spider on tree trunk


Walking stick insect under a leaf
Walking stick insect under a leaf


uroplatus1 (Nosy Mangabe)
Uroplatus fimbriatus gecko



Lutinus Beetle



Leaf mimic insect



Walking stick insect



Green walking stick insect



Leaf insect


Mantidactylus asper frog (Nosy Mangabe)
Mantidactylus asper frog


Camouflaged praying mantis on tree trunk
Camouflaged praying mantis on tree trunk


Praying mantis standing guard of its tree
Praying mantis standing guard of its tree


Walking stick insects mating
Walking stick insects mating


Reddish-brown stick insect
Reddish-brown stick insect


uroplatus (Nosy Mangabe)
Uroplatus fimbriatus gecko



Uroplatus fimbriatus - tree trunk, full body



Uroplatus fimbriatus gecko on Nosy Mangabe



Leaf-tailed gecko on Nosy Mangabe



Leaf-tailed gecko



Uroplatus fimbriatus on Nosy Mangabe



Leaf Katydid



Leaf Moth



Praying Mantis



Ruins Moth


Giant walking stick insect with a person's hand for scale
Giant walking stick insect with a person's hand for scale




Revisão de Questões:
  • Quais são os três tipos de mimetismo?
  • Por que a camuflagem é importante?

[Inglês | Espanhol | Francês]


Continuação: O Dóssel







MONGABAY.COM
Mongabay.com promove a apreciação da natureza e dos animais selvagens, além de examinar o impacto de tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças, na conservação e no desenvolvimento.

Estamos preparando o lançamento do site Mongabay em Português. Quer ajudar? Que bom! Se você fala Inglês entre em contato com o Rhett. Precisamos de mais voluntários para fazer traduções de conteúdo. E se você não fala Inglês, volte sempre e divulgue o site para os seus amigos!





Primeira página
Notícias ambientais
Florestas tropicais
Peixe tropical
Imagens
Para as crianças
Madagascar
Idiomas
Sobre
Ajuda
Contato RSS/XML


Recomendado
Amazonia.org
O Eco
A Última Arca de Noé





Horrores submarinos: organismos marinhos derretem ao largo da costa dos USA
(07/30/2014) Este podia ser o guião de um filme de terror: um dia os humanos acordam e descobrem que as alterações químicas da atmosfera estão a dissolver os seus corpos. Para os pequenos organismos marinhos, conhecidos como borboletas marinhas ou pterópodes, isto está já a acontecer ao largo da costa Oeste dos USA. O aumento da concentração de carbono no oceano está a derreter as conchas das borboletas marinhas, que são pequenos caracóis marinhos que servem de base para a maior parte da cadeia alimentar oceânica, sendo presa do salmão rosa, carapau e arenque.


O implacável crescimento da população está levando ao aquecimento global e a extinção em massa
(07/14/2014) A humanidade levou cerca de 200.000 anos para chegar a um bilhão de pessoas. Mas, em duzentos anos, nós setuplicamos a população. Na verdade, nos últimos 40 anos, nós adicionamos um bilhão a mais a cada doze anos, aproximadamente. E as Nações Unidas estimam que nós adicionaremos outros quatro bilhões–num total de 11 bilhões–até o final do século. Apesar disso, poucos cientistas, legisladores, ou até mesmo ambientalistas estão dispostos a admitir publicamente que o inacreditável crescimento da população esteja agravando a mudança climática, a perda da biodiversidade, a escassez de recursos, ou a crise ambiental global em geral.


O número de borboletas-monarcas migrantes atinge baixos níveis
(07/11/2014) De acordo com a WWF-México, a população de borboleta-monarca que passou o inverno no México neste ano atingiu o menor nível já registrado. Elas abrangeram apenas 0,67 hectares de floresta no México, uma queda de 44% em comparação à 2012, que já tinha apresentado uma população já perigosamente baixa. Para se ter uma ideia, a abrangência média de monarcas entre 1994 a 2014 foi de 6,39 hectares ou cerca de vezes mais do que a registrada neste ano. Durante anos, os ambientalistas temeram que o desmatamento no México pudesse resultar no fim da migração da borboleta, mas agora os cientistas afirmam que as mudanças agrícolas e políticas nos Estados Unidos e Canadá - inclusive as relativas à produção agrícola derivada de organismos geneticamente modificados (OGM) e à destruição de habitats - estão refreando uma das maiores migrações do mundo.


Uma estratégia decisiva para o lémure: cientistas propõem plano ambicioso para preservar a conservar a família de mamíferos mais ameaçada do mundo
(07/09/2014) Devido às maravilhosas idiossincrasias da evolução, existe um país na Terra que alberga 20% dos primatas de todo o mundo. Ainda mais espantoso, cada um destes primatas - na verdade, uma família inteira distinta - não se encontra em mais nenhum lugar do mundo. O país é, naturalmente, o Madagáscar e os primatas em causa são, naturalmente, os lémures. Mas a remota ilha de Madagáscar, em tempos um porto seguro para experiências evolucionárias, transformou-se num pesadelo ecológico. Superpopulação, pobreza profunda, instabilidade política, agricultura itinerante, abate de árvores para o lucrativo negócio madeireiro e um comércio florescente de carne de animais selvagens colocou 94 por cento dos lémures do mundo sob ameaça de extinção, fazendo deles os mamíferos mais ameaçados do planeta. Mas, com vista a estancar esta rápida marcha em direcção à extinção, os conservacionistas publicaram agora na revista Science um plano de emergência a três anos para preservar trinta importantes florestas de lémures.


Pesca de arrasto: o destrutivo método de pescaria está transformando os leitos dos oceanos em “desertos”
(07/08/2014) A pesca de arrasto é uma prática realizada pela indústria da pesca no mundo todo, na qual uma grande e pesada rede é arrastada ao longo do fundo do oceano para recolher tudo o que estiver em seu caminho. Pesquisas anteriores associaram a pesca de arrasto a impactos ambientais relevantes, como a captura de grandes quantidades de espécies não visadas, chamadas coletivamente de “capturas acessórias”, assim como a destruição de leitos de águas rasas. Uma nova pesquisa publicada em ações pela Proceedings of the National Academy of Sciences revelou que esse método também está provocando consequências de longo prazo e alcance no fundo do oceano e além.


Primeira página |  Notícias ambientais |  Florestas tropicais |  Peixe tropical |  Imagens |  Para as crianças  |  Madagascar |  Ajuda  |  Sobre  |  Inglês



Copyright Rhett Butler 2009